Saúde sexual e saúde reprodutiva no cárcere

uma discussão necessária para garantia de direitos das mulheres privadas de liberdade

  • Camila Azevedo dos Reis UFSC
  • Luciana Patrícia Zucco
Palavras-chave: Saúde Sexual e Saúde Reprodutiva, Presídio Feminino, Gênero

Resumo

O artigo trata do acesso à saúde sexual e saúde reprodutiva das mulheres em privação de liberdade no Presídio Feminino de Florianópolis, a partir dos direitos sexuais e direitos reprodutivos, numa perspectiva interseccional de gênero e de integralidade de saúde das mulheres. Existe uma histórica omissão dos poderes públicos às mulheres encarceradas, que não as vêem como detentoras de direitos e de especificidades advindas das questões de gênero. As mulheres são tratadas como ‘presos que menstruam’, sendo suas particularidades resumidas à diferença biológica, seus direitos são violados desde a construção de unidades prisionais projetadas para os homens, até a atenção a direitos essenciais, como saúde, educação, trabalho, preservação de vínculos familiares e (re)socialização. A metodologia da pesquisa foi qualitativa e de cunho etnográfico, com destaque às narrativas das mulheres e profissionais da Instituição. O percurso metodológico adotado é detalhado para dar visibilidade à construção e análise dos dados, assim como ao campo de pesquisa.

Publicado
23-05-2019
Como Citar
REIS, C.; ZUCCO, L. Saúde sexual e saúde reprodutiva no cárcere. Fronteiras: Revista Catarinense de História, n. 33, p. 66-86, 23 maio 2019.