Editorial

  • Judite Scherer Wenzel Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS Campus Cerro Largo

Resumo

É com imensa satisfação e reconhecimento ao Programa de Formação Continuada Ciclos Formativos em Ensino de Ciências e Matemática que faço a abertura desta edição especial da Revista Insignare Scientia (RIS). O referido programa teve início em 2010 e consiste numa das ações desenvolvidas pelo Grupo de Pesquisa em Ensino de Ciências e Matemática (GEPECIEM) da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) Campus Cerro Largo - RS. Atualmente o programa contempla dois subprojetos: formação continuada em Matemática e em Ensino de Ciências. Nesta edição especial: Ciclos Formativos em Ensino de Ciências estão apresentados relatos de experiências que foram elaborados pelos participantes do Subprojeto Ciclos Formativos em Ensino de Ciências no decorrer dos anos de 2018 e 2019.

Na formação que é desenvolvida nos Ciclos Formativos acreditamos e apostamos na potencialidade dos participantes que constituem a tríade interativa (ZANON, 2003) - licenciandos, professores da Educação Básica e professores formadores da UFFS.  As ações objetivam trilhar o caminho da investigação-formação-ação (GÜLLICH, 2013). Compreendemos o espaço formativo como um coletivo de professores em diferentes estágios de formação. Nos ancoramos em Maldaner (2000) que indica como essencial para a melhoria do ensino e da formação a criação de grupos de professores que decidem tomar nas próprias mãos os tipos de aula e o conteúdo que irão ensinar. Para tanto destacamos a prática vivenciada da escrita de relatos de experiências e que estão aqui apresentados não como sendo uma escrita final, com um fim em si mesmo, mas como uma escrita em processo que possa, por meio da leitura possibilitar outras práticas e outros olhares sobre o ensinar e aprender Ciências. Acreditamos que a caminhada formativa nos possibilita olhar para os relatos como a “sala de espelhos” proposta por Schön (1992) que permite ao professor pela aproximação e/ou distanciamento da prática do outro qualificar e/ou redimensionar a sua prática.

O processo de escrita que culminou nos relatos que estão publicados iniciou juntamente com o programa no ano de 2010 pois, desde o início contemplamos a escrita em diferentes modos, em diário de bordo, em relatos de experiências, em capítulos de livros, anais de eventos, entre outros. Ou seja, o processo de investigação-formação-ação visa por meio da escrita reflexiva qualificar tanto as práticas de ensino como a constituição docente. Assim, no decorrer do ano de 2018 e 2019 foram realizados encontros formativos que consistiram na elaboração, na apresentação e na troca de leituras dos relatos, o que possibilitou o processo de sistematização das experiências. Cada um dos participantes foi desafiado a se posicionar como leitor crítico frente à escrita do outro em momentos de compartilhamento de relatos. Acreditamos que o professor ao se posicionar frente à sua prática, seja por meio do diálogo ou da escrita passa a produzir novos significados para a sua ação docente, no que está desenvolvendo a pesquisa da sua própria prática: pesquisa-ação. E é nesse sentido, pensando num espaço permanente de formação, que convidamos você leitor a dialogar conosco, e buscar fazer o exercício de espelhamento da sua prática.

Por fim, ressalto que os relatos contemplam dilemas e necessidades formativas de quem está iniciando na docência e de quem já está a mais tempo em sala de aula. Ademais os relatos tratam de práticas de ensino elaboradas e experienciadas no âmbito do Programa de Iniciação à Docência (PIBID), do Residência Pedagógica, do Programa Tutorial (PETCiências), dos Estágios Curriculares Supervisionados e das Práticas de Ensino vivenciadas nos Cursos de Licenciatura da UFFS e nos contextos escolares. Os relatos indicam que é preciso acreditar no potencial do ensino, da teorização das práticas e reforçam a necessidade da constante formação docente e do fortalecimento da relação universidade e escola.  

 

Referências:

GÜLLICH, R. I. C. Investigação-Formação-Ação em Ciências: um Caminho para Reconstruir a Relação entre Livro Didático, o Professor e o Ensino. Curitiba: Prismas, 2013.

MALDANER, O. A. A Formação Inicial e Continuada de Professores de Química –Professores/pesquisadores. Ijuí: UNIJUÍ, 2000. (Coleção Educação Química).

SCHÖN, D. A. La formación de profissionales reflexivos: hacia un nuevo diseño de la enseñanza y el apren-dizage en las profesiones. Barcelona, Paidós, 1992.

ZANON, L. B. Interações de licenciandos, formadores e professores na elaboração conceitual de prática docente: módulos triádicos na licenciatura de Química. 2003. 201 f. Tese (Doutorado) - Curso de Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 2003.

Publicado
21-11-2019
Como Citar
WENZEL, J. Editorial. Revista Insignare Scientia - RIS, v. 2, n. 3, 21 nov. 2019.