Situação de Estudo (SE) Relações bióticas e abióticas em uma mata: da sua elaboração a implementação no ensino fundamental

  • Lílian Corrêa Costa-Beber UNIJUÍ
  • Vidica Bianchi UNIJUÍ
Palavras-chave: problematização; interação; aprendizagem.

Resumo

Necessitamos de mudanças curriculares, como a Situação de Estudo (SE), que forme os alunos enquanto sujeitos críticos e ativos no seu aprendizado, vinculado a um contexto real. Esse artigo contempla a elaboração e implementação da SE “Relações bióticas e abióticas em uma mata” em uma turma de ensino fundamental, análise do feedback dos alunos e posterior reformulação na tríade de professores. A SE foi problematizada com a visita ao bosque. Assim como as demais atividades, foi acompanhada de interações, que possibilitaram a percepção de conhecimentos prévios, e a necessidade de dosar os conteúdos conforme o tempo disponível. Foi preciso estar atento as discussões geradas em sala de aula para adaptar a SE de acordo com as necessidades da turma, em termos de conteúdo e atividades, pois ela não é estática. Concluímos que a implementação da SE auxiliou na constituição dos alunos enquanto sujeitos ativos no seu aprendizado.

Biografia do Autor

Vidica Bianchi, UNIJUÍ

Departamento de Ciências da Vida (DCVida), Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação nas Ciências, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ).

Referências

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 11 ed. SP: Editora Hucitec. (Traduzido), 2006.
BEDIN, E. DEL PINO, J. C. Concepções de professores sobre Situação de Estudo: rodas de conversa como práticas formadoras. Interfaces da Educação, v.8, n.22, p.154-185, 2017.
BOFF, E. T. O. et al. Ambiente e Vida - o ser humano nesse contexto: uma estratégia de ensino transformadora do currículo escolar. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 26, p. 306-321, 2011.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs): Ciências Naturais/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasilia: MEC/ SEF, 1998, 138 p.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2018.
CERNY, R.Z. et al. O currículo na cultura digital: impressões de autores de materiais didáticos para formação de professores. Revista Educação Pública, v. 25, n. 59, p. 341-353, 2016.
CREMASCO, C. P. et al. Utilização de materiais recicláveis na construção de equipamentos de irrigação. Revista Ciência e Extensão, v. 14, n. 4, 2018.
FERREIRA, M. V. et al. Desafios e potencialidades em intervenções curriculares na perspectiva da abordagem temática. Revista Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 21, 2019.
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25ª ed. Editora Paz e Terra, 2002.
GAMA, C. N.; DUARTE, N. Concepção de currículo em Dermeval Saviani e suas relações com a categoria marxista de liberdade. Interface, v. 21, n. 62, p. 521-530, 2017.
HALMENSCHLAGER, R. K.; SOUZA, C. A. Abordagem temática: uma análise dos aspectos que orientam a escolha de temas na Situação de Estudo, Investigações em Ensino de Ciências, v. 17, n. 2, p. 367-384, 2012.
MACKEDANZ, L. F.; ROSA, L. S. O discurso da interdisciplinaridade e as impressões docentes sobre o ensino de Ciências Naturais no Ensino Fundamental. Revista Thema, v. 13, n. 3, p. 140-152, 2016.
MALDANER, O. A. A formação inicial e continuada de professores de química: professores/pesquisadores. 3 ed. Ijuí. Ed. Unijuí, 2006.
MALHOTRA, N. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4. ed. Porto Alegre, RS: Bookman, 2006.
MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 3 ed. São Paulo, SP: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2001.
MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 5 ed. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2015.
RITTER, J.; MALDANER, O. A. CTS na Situação de Estudo: desenvolvimento de currículo e formação de professores. Praxis e Saber, v. 6, n. 11, p. 195-214, 2015.
RITTER, J. et al. Núcleos de Pesquisa na Escola: possibilidades de mudanças didáticas e práticas de ensino dos professores. Revista de Didácticas Específicas, n. 18, p. 167-186, 2018.
SANGIOGO, F. A. et al. A. Pressupostos epistemológicos que balizam a situação de estudo: algumas implicações ao processo de ensino e à formação docente, Ciências & Educação, v.19, n.1, p.35-54, 2013.
SAVIANI, D. Educação: do senso comum à consciência filosófica. 15ª ed. Campinas: Autores Associados, 2004.
TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 14. ed. Petrópolis, RS: Vozes, 2002.
VERONEZ, W. M. et al. A utilização do terrário para conscientização ambiental de estudantes do ensino básico. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 2, n. 3, 2009.
VIEIRA, L. B. G. et al. Situação de Estudo: o que vem sendo publicado em eventos e periódicos da área de Ensino de Ciências? Revista Ensaio, v.20, p. 1-29, 2018.
VYGOTSKY, L. S. Formação social da mente. 6ª Ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. Trad. Paulo Bezerra. 1.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
VYGOTSKY, L. S. A Construção do Pensamento e da Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
Publicado
19-12-2019
Como Citar
COSTA-BEBER, L.; BIANCHI, V. Situação de Estudo (SE) Relações bióticas e abióticas em uma mata: da sua elaboração a implementação no ensino fundamental. Revista Insignare Scientia - RIS, v. 2, n. 4, p. 375-395, 19 dez. 2019.
Seção
Relatos de Experiências