A Motivação e a Inversão da Pirâmide de Maslow

  • Ivaneide de Farias Dantas UNINASSAU
Palavras-chave: Motivação, Prática Docente, Formação Continuada

Resumo

O artigo aqui apresentado tem como objetivo analisar e compreender os fatores motivacionais que impulsionam profissionais de educação do ensino básico a buscarem a melhoria do perfil profissional a partir de sua participação em cursos de especialização lato sensu na área de educação. Os resultados permitem identificar e compreender os principais fatores que motivam os professores na busca de ampliação do seu conhecimento, que, com base nos principais teóricos da motivação, e, especificamente em Maslow, podemos perceber como se comporta a pirâmide de necessidades diante das respostas dos professores, caracterizando como principais fatores motivacionais a profissionalidade e a prática docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivaneide de Farias Dantas, UNINASSAU

Ivaneide de Farias Dantas é Analista Organizacional, formada em Licenciatura Plena em Ciências e Bel. em Psicologia, especialista em Administração Pública pela FGV-Fundação Getúlio Vargas e em Administração de RH pela Universidade Católica de Pernambuco. Mestre em Administração Pública pela FGV - Fundação Getúlio Vargas e Doutoranda em Administração pela UNAM-Universidad Nacional de Misiones na Argentina. Atualmente é Secretária Municipal de Educação e Professora da UNINASSAU.

Referências

ALARCÃO, Isabel. Formação Continuada como Instrumento de Profissionalização Docente. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro (org.). Caminhos da Profissionalização do Magistério. Campinas, SP: Papirus, 1998. Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico.

ALMEIDA, Maria Isabel de. Formação Continuada de Professores. In: Boletim 13. Formação Contínua de Professores. MEC. 2005. Disponível em: <http://www.tvbrasil.org.br/fotos/salto/series/150934FormacaoCProf.pdf>.

BERGAMINI, Cecília Whitaker. Motivação. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1990.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/ldb.pdf>. Acesso em: 30 abr. 2010.

FLEURY, Maria Tereza Leme; FLEURY, Afonso. Construindo o Conceito de Competência. RAC, Curitiba, Edição Especial, 2001: 183-196.

FONSECA, Dirce Mendes. Contribuições ao Debate da Pós-graduação lato sensu. R.B.P.G. Brasília, v.1, n.2, p. 173 –182. Nov. 2004.

GUIMARÃES, Sueli Édi Rufini; BORUCHOVITCH, Evely. O Estilo do Professor e a Motivação Intrínseca dos Estudantes:Uma Perspectiva da Teoria da Auto Determinação. Psicologia: Reflexão e Crítica, Londrina, 17(2), PP. 143-150, 2004.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA-INEP. Avaliação externa das instituições de ensino superior. Brasília, 2006a.

LUDKE, Menga; BOING, Luiz Alberto. Caminhos da Profissão e da Profissionalidade Docentes. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 25, n. 89, p.1159-1180, Set/Dez, 2004.

MASLOW, A. H. Motivation and Personality. 2.ed. New York: Harper & Row, 1970.

MOSQUERA, Juan José M. A Motivação Humana na Concepção de A. H. Maslow. In: PUENTE, Miguel de La (Org.). Tendências Contemporâneas em Psicologia da Motivação. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1982.

MURRAY, Edward J. Motivação e Emoção. 5.ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan S.A., 1986.

RAMOS, Kátia Maria da Cruz. Profissionalidade Docente Universitária: Um conceito em (RE) construção.Ensino Em–Revista, Uberlândia, v.17, n.2., p.561-578, jul./dez.2010.

ROBBINS, Stephen P. Comportamento Organizacional. 8.ed. Rio de Janeiro: LTC–Livros Técnicos e Científicos Editora S.A., 1999.

RYAN, Richard M.; DECI, Edward L. Self-Determination Theory: Basic Psychological Needs in Motivation, Development, and Wellness. Guilford Publications. Edição do Kindle, 2017.

Publicado
28-06-2019
Como Citar
DANTAS, I. A Motivação e a Inversão da Pirâmide de Maslow. Revista Gestão & Sustentabilidade, v. 1, n. 1, p. 173 - 186, 28 jun. 2019.
Seção
Trabalhos Empíricos e Ensaios