O ENSINO DE QUÍMICA CONTEXTUALIZADO: AS VOZES DISCENTES

  • Francisco Marconcio Targino de Moura Secretaria Municipal de Educação de Fortaleza - SME
  • Roselene Ferreira Sousa
  • Claudia Christina Bravo e Sá Carneiro

Resumo

A perspectiva da contextualização do ensino veio a tona com a reforma do Ensino Médio, logo após a promulgação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB 9394/96) que apresenta em seu discurso a necessidade da compreensão dos conhecimentos para uso no contexto social, valorizando a experiência extraescolar. Nosso objetivo geral foi investigar qual a percepção dos alunos do Ensino Médio sobre a importância e desenvolvimento da contextualização em aulas de química. Mais especificamente buscamos: a) Analisar que importância os alunos do ensino médio atribuem a contextualização dos conteúdos curriculares de química e b) Observar como os alunos do ensino médio descrevem a realização do trabalho de contextualização dos conteúdos curriculares nas aulas de química. Como método de pesquisa usamos o Discurso do Sujeito Coletivo (DSC) que consiste em obter o discurso de uma coletividade não como a soma de iguais, mas sim como a junção de pontos semelhantes do discurso de cada um dos indivíduos de um grupo. Percebe-se que a principal função da contextualização reside no fato desta envolver o aluno em seu contexto social e cultural.

Publicado
17-02-2019
Como Citar
TARGINO DE MOURA, F.; SOUSA, R.; E SÁ CARNEIRO, C. O ENSINO DE QUÍMICA CONTEXTUALIZADO: AS VOZES DISCENTES. Revista Insignare Scientia - RIS, v. 1, n. 3, 17 fev. 2019.