Iniciação à docência em Física e as indagações dos estudantes da educação básica - um relato

Palavras-chave: Ensino de Física, Iniciação à docência, Estratégias didáticas

Resumo

Atividades extensionistas que visem propiciar a educação em ciências são cada vez mais presentes em discussões educacionais, sejam como forma de pensar novas roupagens para conteúdos programáticos ou para novos vieses metodológicos e de avaliação dos processos educativos. Este trabalho apresenta e discute a atividade “Pílula da ciência: o conhecimento está no ar!”, desenvolvida no âmbito do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID/CAPES), junto a uma escola pública de Uberaba/MG, em parceria com o grupo PIBID-Física-UFTM, com ênfase em suas contribuições à formação dos envolvidos, licenciandos em Física. O objetivo da atividade desenvolvida foi promover uma dinâmica que permitisse, por um lado, ouvir as inquietações e indagações dos estudantes da Educação Básica frente às suas dúvidas em relação ao conhecimento científico e, por outro lado, proporcionar novas vivências em sala de aula por parte de pibidianos, professores em formação. Para tanto, estudantes da Educação Básica depositavam questionamentos (aqui denominados pílulas) sobre temas voltados às Ciências da Natureza em uma caixa de dúvidas, para posterior socialização das respostas em sala de aula com os pibidianos. Evidenciamos que ouvir e discutir as percepções dos estudantes frente à visão que estes têm do conhecimento científico é um caminho promissor para despertar seu interesse pela ciência, sendo os primeiros passos para o letramento científico, além de ser uma estratégia para sensibilizar os futuros professores a considerarem estas abordagens em suas futuras práticas pedagógicas.

Palavras-chave: Ensino de Física; Iniciação à docência; Estratégias didáticas

 

Physics teaching initiation and the students´ questions in basic education - a report  

Abstract: Extension activities that aim to provide science education are increasingly present in educational discussions, whether as a way of thinking about new approaches for curricular contents or new methodological biases and evaluation. This paper presents and discusses the activity "Pill of science: the knowledge is in the air!" developed under the Institutional Program of Initiation to Teaching Scholarship (PIBID/CAPES), at a public school in Uberaba, Brazil, in partnership with the PIBID-Physics-UFTM group, with an emphasis on their contributions to the training of those involved, undergraduates in Physics. The objective of the activity developed was to promote a dynamic that would allow, on the one hand, to listen to the concerns and questions of Basic Education students in the face of their doubts regarding scientific knowledge and, on the other hand, to provide new experiences in the classroom by teachers in training. To this end, Basic Education students deposited questions (here called "pills") about topics related to the Natural Sciences in a box of doubts, for later socialization in the classroom with the undergraduates in Physics. We show that listening and discussing students' perceptions of their view of scientific knowledge is a promising way to awaken their interest in science, being the first steps towards scientific literacy, in addition to being a strategy to sensitize future teachers to consider these approaches in their future pedagogical practices.

Keywords: Physics Teaching; Teaching Initiation; Didactic Strategies

Biografia do Autor

Pedro Donizete Colombo Junior, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Professor junto à Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Doutor em Ensino de Física pela Universidade de São Paulo (USP).

Daniel Fernando Bovolenta Ovigli, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Professor junto à Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Doutor em Educação para a Ciência pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp).

Sabrina Eleutério Alves, Escola Estadual Francisco Candido Xavier

Professora da Educação Básica do Estado de Minas Gerais. Mestra em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Referências

Alffonso, C. M. (2019). Práticas inovadoras no ensino de ciências e biologia: diversidade na adversidade. Revista Formação e Prática Docente, 2, 69-85.

Araújo, M. F. F., & Pedrosa, M. A. (2014). Ensinar ciências na perspectiva da sustentabilidade: Barreiras e dificuldades reveladas por professores de biologia em formação. Educar em Revista, 52, 305-318.

Arruda, S. J., & Caetano, M. R. (2012). Inovação curricular na escola pública: a teoria e a prática de Projeto Salas-ambiente. Universo Acadêmico, 5(1), 111-126.

Arruda, S. M., Passos, M. M., Piza, C. A. M., & Felix, R. A. B. (2013). O aprendizado científico no cotidiano. Ciência & Educação (Bauru), 19(2), 481-498.

Azevedo, M. N. & Abib, M. L. V. S. (2013). Pesquisa-ação e a elaboração de saberes docentes em ciências. Investigações em Ensino de Ciências, 18(1), 55-75.

Braga, J. C. F., & Martins, A. C. S. (2019). When teacher education goes mobile: A study on complex emergence. Revista Brasileira de Linguística Aplicada 20(2), 353-381.

Campos, B. S., Fernandes, S. A., Ragni, A. C. P. B., & Souza, N. F. (2012). Física para crianças: Abordando conceitos físicos a partir de situações-problema. Revista Brasileira de Ensino de Física, 34(1), 1402-1401.

Colombo Junior, P. D., & Ovigli, D. F. B. (2018). A interface arte-ciência-cultura como forma de inovar a formação inicial de professores de Física. Revista Iberoamericana de Educación, 77, 97-120.

Colombo Junior, P. D., Alves, S. E., & Santos, R. A. F. (2020). Abordagens colaborativas e o ensino de ciências por investigação na Educação Básica. In W. Faleiro, A. Viveiro, & M. P., Assis (Eds.), Coleção Ensino de Ciências e Formação de Professores. (pp. 205-232). Goiânia: Kelps. Recuperado de https://www.kelps.com.br/wp-content/ uploads/2020/03/inovacao-letramento_ebook.pdf

Correia, K. (2016). Projetos de Letramento no Ensino Médio: Novas perspectivas e desafios. Educação & Realidade, 41(1), 259-277.

Dias, G., Nascimento, C., Souza Filho, J., Oliveira, C., & Vayne Justino Alves, N. (2018). Projeto escolas na Universidade Estadual de Maringá: Criação de um ambiente de experimentação e exploração em ciências. Extensio: Revista Eletrônica de Extensão, 15(28), 193-202.

Dorigo, A., Anjos, A., Marcato, A. C., Pires, D., Gonçalves, L., Anholeto, L., ... & Mello, D. (2020). Projeto Primeiros Passos na Ciência: Rompendo barreiras sociais e estreitando laços entre a comunidade acadêmica e o Ensino Médio público. Revista Brasileira de Extensão Universitária, 11(1), 47-59.

Fernandes, C. P., Monzambani, B. A., Benedetti-Filho, E., Santos Júnior, J. B., & Cavagis, A. D. M. (2014). PIBID: Um canal de extensão universitária para o ensino de ciências. Revista Cidadania em ação – Extensão e Cultura 8(2), 100-112.

Fernandes, C. S., Marques, C. A., & Delizoicov, D. (2016). Contextualização na formação inicial de professores de ciências e a perspectiva educacional de Paulo Freire. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 18(2), 9-28.

Ferreira, M. V., Muenchen, C., & Auler, D. (2019). Desafios e potencialidades em intervenções curriculares na perspectiva da abordagem temática. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 21, e10499.

Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras (1987). Conceito de extensão, institucionalização e financiamento. Criação do Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras. Brasília: FORPROEX. Recuperado de https://www.ufmg.br/proex/renex/images/documentos/1987-I-Encontro-Nacional-do-FORPROEX.pdf

Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras (2012). Plano Nacional de Extensão Universitária. Encontro de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas do Brasil. Manaus: FORPROEX. Recuperado de https://www.ufmg.br/proex/renex/images/documentos/2012-XXXII-Encontro-Nacional-Brasilia.pdf

Fragelli, R. R. & Mendes, F. M. (2012). “Onde está Osama?” – Um Jogo Educativo na Área de Física. Participação, 20, 8-15.

Freire, P. (1996). Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Gonçalves, B., Vicentini, M. A., de Paula, K. A. M. R., de Assis Ferraz, J., Nascimento, G. A. C., Cordovil, B. L., & de Oliveira, J. B. (2015). ‘PET- Física vai à escola’ – uma metodologia para despertar o interesse no estudo de ciências em alunos de ensino básico. Revista Ciência em Extensão, 11(1), 32-45.

Oliveira, F. C. P., & Algebaile, E. B. (2019). As contribuições do PIBID para uma formação crítica e social do professor: a experiência da Universidade Regional do Cariri (Urca). Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 100(256), 612-632. Recuperado de https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.100i256.4165

Oliveira, W. D., & Benite, A. M. C. (2015). Aulas de ciências para surdos: estudos sobre a produção do discurso de intérpretes de LIBRAS e professores de ciências. Ciência & Educação (Bauru), 21(2), 457-472.

Pereira, E. M. A, Carneiro, A. M., & Gonçalves, M. L. (2015). Inovação e avaliação na cultura do ensino superior brasileiro: formação geral interdisciplinar. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas), 20(3), 717-739.

Pessoa, G. P., & Costa, F. de. (2019). A Flipped Classroom no ensino de Ciências e Biologia: Uma articulação com o ensino de Ciências por investigação. Tecnia, 4(2), 208-225.

Pietrocola, M. (2005). Construção e realidade: O papel do conhecimento físico no entendimento do mundo. In: Ensino de Física – conteúdo, metodologia e epistemologia em uma concepção integradora. Florianópolis: UFSC.

Silva, L. V., & Bego, A. M. (2018). Levantamento Bibliográfico sobre Educação Especial e Ensino de Ciências no Brasil. Revista Brasileira de Educação Especial, 24(3), 343-358.

Solino, A. P., & Sasseron, L. H. (2019). A significação do problema didático a partir de potenciais problemas significadores: análise de uma aula investigativa. Ciência & Educação (Bauru), 25(3), 569-587.

Taxini, C. L., Puga, C. C. I., Silva, C. S. F., & Oliveira, R. R. (2012). Proposta de uma sequência didática para o ensino do tema "estações do ano" no ensino fundamental. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 14(1), 81-97.

Trindade, J. I. S., Souto, L. L., & Santos, D. P. (2013). PIBID Um programa de extensão universitária fortalecedor do processo ensino aprendizagem de Geografia da Escola Municipal Jair de Oliveira Montes - Claros/MG. (1-16). Anais do Encuentro de Geógrafos de América Latina, Lima, Peru. Recuperado de https://is.gd/BTGXMe

Ustra, S. R. V., Lopes, J. P., Tavares, O. A., Ustra, M. K. (2014). Entrelaçando espaços para a Física no Ensino Fundamental. Cataventos - Revista de Extensão da Universidade de Cruz Alta, 6(1), 27-39.

Vieira, S., & Sabbatini, M. (2017). Construção do conhecimento contextualizado e cultura popular no ensino de ciências através da produção de vídeos digitais no contexto da folkcomunicação científica e tecnológica. Revista de Cultura e Extensão USP, 17(supl.), 51-62.

Watkins, J. & Mazur, E., (2010). Just-in-time teaching and peer instruction. In S. Simkins & M. Maier (Eds.), Just- in-Time teaching: Across the disciplines, across the academy, (pp. 39-62). Sterling: Stylus.

Zompero, A. F., Gonçalves, C. E. S., & Laburú, C. E. (2017). Atividades de investigação na disciplina de Ciências e desenvolvimento de habilidades cognitivas relacionadas a funções executivas. Ciência & Educação (Bauru), 23(2), 419-436.

Publicado
04-09-2020
Como Citar
COLOMBO JUNIOR, P. D.; BOVOLENTA OVIGLI, D. F.; ALVES, S. E. Iniciação à docência em Física e as indagações dos estudantes da educação básica - um relato. Revista Brasileira de Extensão Universitária, v. 11, n. 3, p. 289-300, 4 set. 2020.
Seção
Artigos