Animais e o Planejamento Urbano

Reflexões Sobre o não-humano nas cidades

  • Fabio Luiz Zanardi Coltro Uel
Palavras-chave: Animais, Planejamento, Agente, Vulnerabilidade

Resumo

Na contemporaneidade, a questão animal vem sendo discutida em diversas esferas científicas, sociais e políticas. A importância da relação humano-animal surge nas agendas no cenário das discussões contemporâneas. No campo das ciências geográficas a questão animal assume, a partir dos anos 1990, uma outra dimensão e tem se destacado em relação as novas interpretações do espaço nessa relação humano-animal. A proposta deste artigo é discutir, a partir de uma revisão bibliográfica, a inserção dessa outra discussão animal, proposta por Wolch (2007) nas discussões sobre o planejamento urbano apresentados por Mendonça (2004).  Wolch (2007) apresenta a zoópolis, uma cidade híbrida com os animais como agentes co-responsáveis, como alternativa para a urbanização excludente. Atentando também a questão da agência dos animais não-humanos, nesse escopo discute-se as implicações no planejamento urbano, assim como na construção social do espaço. Como conseqüência desta aproximação, destaca-se a necessidade de se rever a interpretação dos animais como sujeitos/agentes na discussão urbana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabio Luiz Zanardi Coltro, Uel

Mestre e Doutor em Geografia pela UEL - Universidade Estadual de Londrina e University of Cambridge (UK). Desenvolveu pesquisas na área de Animal Geographies; Ética Animal; Pós-humanismo;, Bioética, Meio Ambiente. Atualmente é docente convidado do programa de Mestrado em Administração da Uel. fzcoltro@gmail.com

http://lattes.cnpq.br/3928107337818907

Publicado
03-04-2019
Como Citar
COLTRO, F. Animais e o Planejamento Urbano. Revista Gestão & Sustentabilidade, v. 1, n. 1, p. 102 - 115, 3 abr. 2019.
Seção
Trabalhos Empíricos e Ensaios