A Construção das Capacidades Tecnológicas da WEG em Geradores Elétricos

  • Aulo Pércio Vicente Nardo UNIASSELVI

Resumo

O objetivo da pesquisa foi compreender a influência do processo de aprendizagem e da consequente acumulação de competência tecnológica da WEG em geradores elétricos para a área de P&D em eficiência energética e materiais em produto. O método utilizado foi a pesquisa de campo por meio de entrevistas semiestruturadas com pesquisadores familiarizados com o estudo de campo em uma construção de níveis de capacidades tecnológicas bem como com engenheiros e técnicos da UFSC e funcionários da empresa. A combinação dos mecanismos de aprendizagem externos e internos que a empresa realizou resultou, em termos de níveis de acumulação de capacidades tecnológicas, de um início em capacidade  de produção no início da década de 1980 para capacidade tecnológica incremental intermediária ao final da década. Em 1995 a empresa adquiriu nível de capacidade incremental avançada, e em 2011 a empresa passou a ser capaz de inovar pela mudança nos elementos envolvidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aulo Pércio Vicente Nardo, UNIASSELVI

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Maringá - UEM - e mestrado em economia (área de concentração: teoria econômica) na mesma instituição. Começou a lecionar como professor temporário na UNIOESTE - campus Francisco Beltrão/PR (2008 - 2010). Posteriormente atuou em Brasília como bolsista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA (2010-2011). Lecionou ainda, como professor temporário, na UNIOESTE - campus Cascavel/PR (2012-2013). De 2014 a 2018 dedicou-se ao doutoramento, obtendo o título de doutor em economia pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (área de concentração: Globalização e Desenvolvimento). Atualmente, trabalha como supervisor de disciplina no setor de tutoria do Núcleo de Ensino a Distância - NEAD da UNIASSELVI campus de Indaial, para as matérias de Econometria I, Macroeconomia I e Matemática para Economistas.

Referências

ARIFFIN, N. Internationalisation of technological innovative capabilities: levels, types and speed (learning rates) in the electronics industry in Malaysia. International Journal of Technological Learning, Innovation and Development, v. 3, n. 4, p. 347-391, 2010. Disponível em < https://www.inderscience.com/info/inarticle.php?artid=39164>. Acesso em 03 abr. 2017.

ARIFFIN, N.; FIGUEIREDO, P. Internationalization of innovative capabilities: counter-evidence from the electronics industry in Malaysia and Brazil. Oxford Development Studies, v. 32, n. 4, p. 559-583, 2003. Disponível em < https://www.researchgate.net/publication/24085738_Internationalization_of_innovative_capabilities_Counter-evidence_from_the_electronics_industry_in_Malaysia_and_Brazil>. Acesso em 10 abr. 2017.

BELL, M.; FIGUEIREDO, P. N. Building innovative capabilities in latecomer emerging market firms: some key issues. In: AMANN, E.; CANTWELL, J. (Org.). Innovative Firms in Emerging Market Countries. Oxford: Oxford University Press, 2012a, p. 24-109.

BELL, M.; FIGUEIREDO, P. N. Innovation Capability Building and Learning Mechanisms in Latecomer Firms: recent empirical contributions and implications for research. Canadian Journal of Development Studies, v. 33, n. 1, p. 14-40, 2012b. Disponível em < https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/02255189.2012.677168>. Acesso em 05 maio de 2017.

BELL, M.; PAVITT, K. The Development of Technological Capabilities. In: HAQUE, I. U. (Org.). Trade, technology and international competitiveness. Washington: EDI development studies, 1995, p. 69-101.

FIGUEIREDO, P. N. Trajetórias de acumulação de competências tecnológicas e os processos subjacentes de aprendizagem: revisando estudos empíricos. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro v. 34, n. 1, p. 7-33, 2000. Disponível em < http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/6251>. Acesso em 15 jan. 2017.

FIGUEIREDO, P. N. Aprendizagem tecnológica e inovação industrial em economias emergentes: Uma breve contribuição para o desenho e implementação de estudos empíricos e estratégias no Brasil. Revista Brasileira de Inovação, v. 3, n. 2, p. 323-361, 2004. Disponível em < https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8648901>. Acesso em 08 fev. 2017.

FIGUEIREDO, P. N. Gestão da Inovação: Conceitos, Métricas e Experiências de Empresas no Brasil. [Reimpr.] Rio de Janeiro: Editora LTC, 2013.

FIGUEIREDO, P. N. et al. Acumulação de capacidades tecnológicas, inovação e competitividade industrial: alguns resultados para a Indústria Brasileira de Siderurgia. Technological Learning and Industrial Innovation Working Paper Series, Rio de Janeiro, n. 2, 2016. Disponível em <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/tlii-wps/article/view/65533>. Acesso em 04 Jun. 2017.

LUNDVALL, B. A. Innovation as an interactive process: from user-producer interaction to the national innovation systems. In: DOSI, G. et al (Org.). Technology and economic theory. London: Pinter Publishers, 1988, p. 349-369.

MALERBA, F. Learning by firms and incremental technical change. The economic journal, v. 102, n. 413, p. 845–859, 1992. Disponível em < https://www.jstor.org/stable/2234581?seq=1#page_scan_tab_contents >. Acesso em 18 agos. 2017.

MATHEWS, J. A.; CHO, D. S. Combinative Capabilities and Organizational Learning by Latecomer Firms: The Case of the Korean Semiconductor Industry. Journal of World Business, v. 34, n. 2, p. 139-156, 1999. Disponível em < https://www.researchgate.net/publication/222457857_Combinative_capabilities_and_organizational_learning_in_latecomer_firms_The_case_of_the_Korean_semiconductor_industry>. Acesso em 20 de set. 2017.

NARDO, A. P. V. A construção das capacidades tecnológicas como fundamento da diversificação: O caso da WEG S.A. 2018. 349f. Tese (Doutor em Economia) – Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2018.

RUSH, H.; BESSANT, J.; HOBDAY, M. Assessing the technological capabilities of firms: developing a policy tool. R&D Management, v. 37, n. 3, p. 221-236, 2007. Disponível em <https://onlinelibrary.wiley.com/doi/pdf/10.1111/j.1467-9310.2007.00471.x>. Acesso em 25 de nov. 2017.

PIANA, J. Variações em trajetórias de acumulação de capacidades tecnológicas em nível intra-empresarial: uma análise empírica da Vale S.A. Tese (doutorado) - Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas – EBAPE/FGV, 2016. Disponível em < https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/16528>. Acesso em 15 jan. 2017.

PIETROBELLI, C.; RABELLOTTI, R. Global Value Chains Meet Innovation System: Are There Learning Opportunities for Developing Countries? World Development, v. 39, n. 7, p. 1261-1269, 2011. Disponível em < https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0305750X11000696>. Acesso em 07 out. 2017.

TERNES, A. História da WEG: 25 anos. Joinville: Gráfica Meyer S.A., 1986.

TERNES, A. WEG: 36 anos de história. Joinville: Gráfica e Editora Pallotti, 1997.

WEG. História. Disponível em: <http://www.weg.net/institutional/BR/pt/history>. Acesso em: 01 abri. 2017.

Publicado
05-07-2019
Como Citar
NARDO, A. P. A Construção das Capacidades Tecnológicas da WEG em Geradores Elétricos. Revista Gestão & Sustentabilidade, v. 1, n. 1, p. 187 - 205, 5 jul. 2019.
Seção
Trabalhos Empíricos e Ensaios