Cuidados farmacêuticos em instituições de ação social: A extensão como estratégia de ensino e promoção da saúde

  • Jacqueline Aparecida Eidam Horst
  • Paulo Roberto Parecy Júnior
  • Luciana Erzinger Alves de Camargo
  • Tatiana Herrerias
  • Daniel de Paula Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná (UNICENTRO)
Palavras-chave: Cuidados de Saúde, Assistência Farmacêutica, Uso Racional de Medicamentos, Educação em Saúde

Resumo

O cuidado farmacêutico é uma prática profissional, centrada no usuário, que visa à promoção e recuperação da saúde por meio da abordagem farmacoterapêutica. O objetivo desse estudo foi relatar ações extensionistas realizadas em instituições de ação social, na forma de cuidados farmacêuticos prestados por estudantes e professores do curso de Farmácia da Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná. Um total de 36 estudantes e cinco professores realizaram, entre abril e junho de 2019, consultas farmacêuticas com 57 pessoas assistidas por duas instituições sociais situadas na região urbana do município de Guarapuava/PR. Foi realizado rastreamento de saúde com testes de glicemia capilar e aferição da pressão arterial. A associação entre comorbidades, faixa etária e o consumo de medicamentos foi analisada pelo teste de Pearson. Os estudantes concederam depoimentos através de entrevista aberta, os quais foram interpretados por análise de discurso temática. Do total de 57 consultas farmacêuticas, 47 (82,5%) pessoas receberam aconselhamento, 45 (78,9%) passaram por intervenções, incluindo mudanças no horário de administração dos medicamentos e orientações sobre possíveis interações com alimentos, e 23 (40,3%) receberam encaminhamento médico. Os depoimentos dos estudantes foram categorizados semanticamente em relação à teoria versus prática, formação profissional e vínculo com o paciente. Assim, foi possível reconhecer a saúde como condição resultante do contexto social, suscitando o elo entre promoção da saúde e as condições de vida. O processo de aprendizagem requer do estudante observações próprias da realidade, com atitudes reflexivas que decorrem da inserção de atividades de extensão e pesquisa como metodologia de ensino.

Palavras-chave: Cuidados de Saúde; Assistência Farmacêutica; Uso Racional de Medicamentos; Educação em Saúde

Pharmaceutical care in social institutions: extension as a strategy for learning and health promotion

Abstract: Pharmaceutical care is a professional, user-centered practice that aims to promote and recover health using the pharmacotherapeutic approach. This study aimed to report extensionist actions in social care institutions, as pharmaceutical care provided by students and professors of the Pharmacy course at the Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná (Paraná State, Brazil). A total of 36 students and five professors conducted pharmaceutical consultations from April to June 2019 with 57 people assisted by two social care institutions located in the urban region of the city of Guarapuava/PR. Health screening was performed with capillary blood glucose tests and blood pressure measurements. The association between comorbidities, age groups, and drug consumption was analyzed by Pearson's test. The students gave testimonies through the open interviews, and the speeches were interpreted by thematic speech analysis. Out of a total of 57 consultations, 47 (82.5%) people received pharmaceutical counseling, 45 (78.9%) went through pharmaceutical interventions, including changes in medication administration schedule and guidance on possible food interactions, and 23 (40.3%) received a medical referral. The students' testimonies were categorized semantically concerning theory versus practice, professional training, and bond with the patient. Thus, it was possible to recognize health as a condition resulting from the social context, raising the link between health promotion and living conditions. The learning process requires students' observations of reality, with reflective attitudes that result from the insertion of extension and research activities as teaching methodologies.

Keywords: Health Care; Pharmaceutical Services; Rational Drug Utilization; Health Education

Referências

Almeida Filho, N. (2010). Reconhecer Flexner: Inquérito sobre produção de mitos na educação médica no Brasil contemporâneo. Cadernos de Saúde Pública, 26(12), 2234-2249.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Buss, P. M., & Filho, A. P. (2007). A Saúde e seus Determinantes Sociais. PHYSIS: Revista de Saúde Coletiva, 17(1), 77-93.

Cadogan, C.A., Ryan, C., & Hughes, C.M. (2016). Appropriate polypharmacy and medicine safety: When many is not too many. Drug Safety, 39(2), 109-116.

Carrapato, P., Correia, P., & Garcia, B. (2017). Determinante da saúde no Brasil: A procura da equidade na saúde. Saúde e Sociedade, 26(3), 676-689.

Collaborating Centre for Drug Statistics Methodology (2016). Anatomical Therapeutic Chemical (ATC) Classification Index, 2016 Oslo: WHO - CCDSM. Recuperado de https://www.whocc.no/atc_ddd_index/

Costa, J. M. B. S., Silva, V. L., Samico, I. C., & Cesse, E. A. P. (2015). Desempenho de intervenções de saúde em países da América Latina: Uma revisão sistemática. Saúde Debate, 39(Especial), 307-319.

Freire, P. (2011). Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Grimmsmann, T., & Himmel, W. (2009). Polypharmacy in primary care practices: An analysis using a large health insurance database. Pharmacoepidemiology Drug Safety, 18(12), 1206-1213.

Guerra, E. L. A. (2014). Manual de Pesquisa Qualitativa. Belo Horizonte: Grupo Ănima Educação.

Guthrie, B., Makubate, B., Hernandez-Santiago, V., & Dreischulte, T. (2015). The rising tide of polypharmacy and drug-drug interactions: Population database analysis 1995-2010. BMC Medicine, 13(74), 1-10.

Hermann A. P., Lacerda, M. R., Nascimento, J. D., Gomes, I. M., & Zatoni, D. C. P. (2018). Enhancing the process of teaching and learning homecare. Revista Brasileira de Enfermagem, 71(1), 156-162.

Instituto Paranaense de Desenvolvimento Social (IPARDES). (2020). Caderno Estatístico Município de Guarapuava. Curitiba: IPARDES 50p. Recuperado de http://www.ipardes.pr.gov.br/Pagina/Cadernos-municipais

Lima, F. A. (2016). Territórios de vulnerabilidade social: Construção metodológica e aplicação em Uberlândia-MG. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Uberlândia-UFU, Uberlândia, Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/19449/1/TerritoriosVulnerabilidadeSocial.pdf

Malachias, M. V. B., Souza, W. K. S. B., Plavnik, F. L., Rodrigues, C. I. S., Brandão, A. A., Neves, M. F. T., ... & Moreno Júnior, H. (2016). VII Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 107(3 Supl. 3), 1-103.

Malta, D. C., Reis A. A. C., Jaime, P. C., Morais Neto, O. L., Silva, M. M. A., & Akerman, M. (2018). O SUS e a Política Nacional de Promoção da Saúde: Perspectiva resultados, avanços e desafios em tempos de crise. Ciência & Saúde Coletiva, 23(6),1799-1809.

Marques, G. F. M., Rezende, D. M. R. P., Silva, I. P., Souza, P. C., Barbosa, S. R. M., Penha, R. M., & Polisel, C. G. (2018). Polifarmácia e medicamentos potencialmente inapropriados para idosos na enfermagem gerontológica. Revista Brasileira de Enfermagem, 71(5), 2440-2446.

Martins, C. M., & Stauffer, A. B. (2007). Educação e saúde. Rio de Janeiro: EPSJV/FIOCRUZ.

Ministério da Educação (2017). Resolução Nº 6, de 19 de outubro de 2017 (Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Farmácia e dá outras providências). Diário Oficial da União, s.1, p.30.

Ministério da Educação (2018). Resolução Nº 7, de 18 de dezembro de 2018 (Diretrizes para a Extensão na Educação Superior Brasileira). Diário Oficial da União, s.1, p.49.

Ministério da Saúde (2014). Serviços farmacêuticos na atenção básica à saúde: Cuidado farmacêutico na atenção básica. Caderno 1. Brasília: Ministério da Saúde.

Ministério da Saúde (2017). Portaria de Consolidação No. 2, de 28 de setembro de 2017. Diário Oficial da União, s.1, p.61.2017.

Nascimento, R. C. R. M., Álvares, J., Guerra Junior, A. A., Gomes, I. C., Silveira, M. R., Costa, E. A., ... & Acurcio, F. A. (2017). Polifarmácia: Uma realidade na atenção primária do Sistema Único de Saúde. Revista de Saúde Pública, 51(2), 1s-12s.

Pagliosa, F. L., & Ros, M. A. (2008). O Relatório Flexner: Para o bem e para o mal. Revista Brasileira de Educação Médica, 32(4), 492–499.

Panúncio-Pinto, M. P., Rodrigues, M. L. V., & Fiorati, R. C. (2015). Novos cenários de ensino: A comunidade e o território como espaços privilegiados de formação de profissionais da saúde. Medicina (Ribeirão Preto), 48(3), 257-64.

Pereira, K. G., Peres, M. A., Iop, D., Boing, A. C., Boing, A. F., Aziz, M., & D’orsi, E. (2017). Polifarmácia em idosos: Um estudo de base populacional. Revista Brasileira de Epidemiologia, 20(2), 335-344.

Ribeiro, M. R. F., Mendes, F. F. F., & Silva, E. A. (2018). Curricularização da extensão em prol de uma universidade socialmente referenciada. Revista Conexão UEPG, 4(3), 334-342.

Roosli, A. C. B. S., Palma, C. M. S., & Ortolan, M. L. M. (2020). Sobre o cuidado na saúde: Da assistência ao cidadão à autonomia de um sujeito. Psicologia USP, 31, e180145.

Rozenfeld, S., Fonseca, M. J. M., & Acurcio, F. A. (2008). Drug utilization and polypharmacy among the elderly: a survey in Rio de Janeiro City, Brazil. Revista Panamericana de Salud Publica, 23(1), 34-43.

Saldan, P. C., & Santos, E. M. (2019). A curricularização da extensão na UNICENTRO: Trajetória, possibilidades e desafios. In: A. Kolody, & D. J. A. N. Belém (Orgs.), Extensão em perspectivas. (pp. 185-202). Guarapuava: UNICENTRO.

Santos, L. F., Morais, A. E., Furtado, A. B., Pinto, B. N. S. L., Martins, K. R. S., Alves, E. B. & Aguiar, T. L. (2019). Pharmacovigilance of polypharmacy and adverse drug reactions in hospitalized elderly in a university hospital in Manaus, Amazonas. Vigilância Sanitária em Debate, 7(4), 41-4.

Silva, A. F. L., Ribeiro, C. D. M., & Silva Júnior, A. G. (2013). Pensando extensão universitária como campo de formação em saúde: Uma experiência na Universidade Federal Fluminense, Brasil. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 17(45), 371-384.

Silveira, E. A, Dalastra, L., & Pagotto, V. (2014). Polifarmácia, doenças crônicas e marcadores nutricionais em idosos. Revista Brasileira de Epidemiologia, 17(4), 818-29.

Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD). (2017). Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2017-2018. São Paulo: Clannad.

Sousa, I. V., Brasil C. C. P., Silva, R. M., Vasconcelos, D. P., Silva, K. A., Bezerra, I. N., & Finan, T. J. (2017). Diagnóstico participativo para identificação de problemas de saúde em comunidade em situação de vulnerabilidade social. Ciência & Saúde Coletiva, 22(12), 3945-3954.

Stotz, E. N. (1993). Enfoques sobre educação e saúde. In V. V. Valla, & E. N. Stotz (Orgs.). Participação popular, Educação e Saúde: Teoria e prática. (pp. 11-22). Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Publicado
31-01-2021
Como Citar
HORST, J.; JÚNIOR, P.; CAMARGO, L.; HERRERIAS, T.; DE PAULA, D. Cuidados farmacêuticos em instituições de ação social: A extensão como estratégia de ensino e promoção da saúde. Revista Brasileira de Extensão Universitária, v. 12, n. 01, p. 13-22, 31 jan. 2021.
Seção
Artigos