A fabricação de sabão artesanal como forma de proteção dos recursos hídricos e auxílio no combate à pandemia da COVID-19, por meio do ensino a distância

Palavras-chave: Meio Ambiente, Saneamento, Empreendedor, Ensino à distância

Resumo

Pesquisadores demonstraram que o vírus SARS-CoV-2, responsável pela pandemia da COVID-19, apresenta membrana lipídica (gordura) em sua estrutura, e o uso do sabão durante a lavagem das mãos é uma das medidas mais eficazes para eliminá-lo, embora muitas localidades não têm acesso à água potável nem, tampouco, ao uso de sabão para higienização. Assim, com o apoio do Programa Hidrológico Intergovernamental para América Latina e Caribe, o Núcleo da Cátedra UNESCO: Água, Mulheres e Desenvolvimento (NuCat) desenvolveu um curso de extensão virtual com o objetivo de disseminar a metodologia de fabricação de sabão, que utiliza óleo de cozinha residual. O curso incluiu três módulos: 1) a importância do sabão e da higiene como auxílio no combate à COVID-19; 2) a educação ambiental como forma de proteção aos recursos hídricos; e 3) introdução aos princípios de empreendedorismo e cooperativismo aplicados à produção de sabão. Entre 18/05/2020 a 23/06/2020, videoaulas sobre o tema foram disponibilizadas no canal do Youtube: “Projeto Recursos Hídricos e Sabão Artesanal”, o qual alcançou mais de 360 inscritos naquele período. Uma sala virtual via plataforma de educação a distância Moodle também foi disponibilizada para os participantes que se interessassem em adquirir certificado. Os resultados mostraram, ao final do curso, mais de 4.400 visualizações no canal do Youtube e 80 participantes certificados. Os participantes deixaram feedback positivo, com 95% deles declarando-se satisfeitos ou muito satisfeitos com o curso.

Palavras-chave: Meio Ambiente; Saneamento; Empreendedor; Ensino a distância

Artisan Soap and Entrepreneurship: Virtual socio-educational actions for the protection of Water Resources and combating the COVID-19 pandemic

Abstract: Researchers have demonstrated that the new SARS-COV-2 virus, responsible for the COVID-19 pandemic, has fats in its composition, making it so that washing hands with soap is one of the most effective measures for its elimination. However, many places do not have access to potable water or soap. Therefore, with the support of the Intergovernmental Hydrological Program for Latin America and the Caribbean, the UNESCO Chair Core: Water, Women, and Development (NuCat) developed a virtual extension workshop aiming at disseminating used-oil-based soap manufacturing techniques. This workshop comprises three modules: 1) the importance of soap and hygiene to fight the COVID-19; 2) environmental education as a way of protecting water resources, and 3) an introduction to the principles of entrepreneurship and cooperativism applied to soap production. Between 18/5/2020 and 23/6/2020, video classes on the topic were made available on a Youtube channel created for this purpose. The channel “Projeto Recursos Hídricos e Sabão Artesanal” reached over 360 subscribers during this period. A virtual room via the Moodle education platform was also made available to participants interested in a certificate. At the end of the workshop, the YouTube channel reached over 4,400 views, and 80 participants were certified. The participants left extremely positive feedback, with 95% of them declaring themselves satisfied or very satisfied with the course.

Keywords: Environment; Sanitation; Entrepreneur; Distance learning

Biografia do Autor

Vera Lúcia de Miranda Guarda, Profa. Dra., Cátedra UNESCO - Água, Mulheres e Desenvolvimento/ Mestrado Sustentabilidade/ UFOP

Farmacêutica Industrial graduada pela Universidade Federal de Ouro Preto (1985), mestre em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1991) e doutora em Ciências Farmacêuticas - Université de Grenoble I (Scientifique Et Medicale - Joseph Fourier) (1998). Foi professora do Departamento de Farmácia da Universidade Federal de Ouro Preto entre 1992 e 2018. Tem experiência na área de Farmácia, com ênfase em Síntese de Fármacos e Controle de Qualidade de Medicamentos, atuando principalmente nos seguintes temas: síntese de derivados de 2H-1,4-benzotiazinonas, caracterização estrutural, atividades farmacológicas e validação de metodologias analíticas. Realizou pesquisas nas áreas de fitoremediação utilizando cianobactérias e macrófitas e na validação de metodologias analíticas para controle de água potável e realiza estudos sobre água e gênero. Coordenou a Cátedra UNESCO: Água, mulheres e desenvolvimento de 2006 a 2018. Representa o Brasil no GT - Água e Gênero do PHI - LAC da UNESCO. Participou como representante do CONAPHI - Brasil Especialista em Empreendedorismo e Inovação. Criou e coordenou o NuCát - Núcleo da Cátedra UNESCO- água, mulheres e desenvolvimento desde a data do seu reconhecimento: Resolução CEPE- UFOP - 7420 de 16/02/2012 até 2108. Foi Editora da Revista ALEMUR, Professora voluntária do Programa de Mestrado Profissional em Sustentabilidade Sócioeconômica Ambiental. Aposentou-se em Novembro de 2018, como professora titular da Universidade Federal de Ouro Preto.

Ana Letícia Pilz de Castro, Profa. Dra., Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de Ouro Preto

Professora Adjunta do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de Ouro Preto. Engenheira Sanitarista e Ambiental, formada pela Universidade Federal de Mato Grosso. Mestre em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos, área de concentração: Recursos Hídricos pela Universidade Federal de Minas Gerais. Doutora em Engenharia Mecânica, área de concentração: Energia e Sustentabilidade pela Universidade Federal de Minas Gerais. Participa do Grupo de Pesquisa SAGA (Saneamento Ambiental e Gestão das Águas). Professora do Programa de Pós-Graduação em Sustentabilidade Socioeconômica Ambiental da Universidade Federal de Ouro Preto. Atualmente coordena, em colaboração com outros professores, o projeto de extensão Engenheiros Sem Fronteiras.

Marina de Medeiros Machado, Profa. Dra., Departamento Engenharia Ambiental da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP

Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) com linha de pesquisa voltada para a produção de biodiesel utilizando óleo residual de fritura através da tecnologia de plasma. Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) através do desenvolvimento de projeto com enfoque em Unidade de Conservação. Possui graduação em Engenharia Ambiental pela Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL). É professora adjunta do curso de graduação em Engenharia Ambiental da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). É professora-colaboradora do Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais da Universidade do Sul de Santa Catarina. Atualmente coordena, em colaboração com outros professores, os projetos de extensão Engenheiros Sem Fronteiras - Núcleo Ouro Preto. É integrante do Grupo de Pesquisas em Avaliação de Impactos Ambientais - GAIA da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e o Grupo de Pesquisas em Plasma e Grupo de Pesquisa em Tecnologias Limpas em Sistemas Produtivos Sustentáveis - TECLIMP da Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL). Tem experiência na área de consultoria ambiental, principalmente em estudos ambientais para licenciamento de empreendimentos, obras e atividades; como também na área de gerenciamento de resíduos e tratamento de resíduos por plasma térmico e não-térmico. Atua principalmente nos seguintes temas: plasma; biodiesel; resíduos sólidos; gestão ambiental; licenciamento ambiental; avaliação de impacto ambiental.

Adivane Terezinha Costa, Profa. Dra., Departamento de Geologia da Universidade Federal de Ouro Preto

Possui graduação em Engenharia Geológica pela Universidade Federal de Ouro Preto (1998), mestrado (2001) e doutorado (2007) em Ciências Naturais pelo programa de pós-graduação em Evolução Crustal e Recursos Naturais da Universidade Federal de Ouro Preto com apoio do CNPq e da Universidade de Magdeburg através do Programa Probal. Atualmente é professora associada II e tutora do Programa de Educação Tutorial (PET-MEC) do Departamento de Geologia da Universidade Federal de Ouro Preto. Assume a coordenadoria da Cátedra da UNESCO "Água, Mulher e Desenvolvimento" em 2019. É professora e orientadora no programa de mestrado profissional - em Sustentabilidade Socioeconômica e Ambiental. Tem experiência em recursos hídricos, geologia ambiental, geologia médica, sedimentologia, geoquímica ambiental e educação ambiental.

Ângela Leão Andrade, Profa. Dra., Departamento de Química, ICEB, Universidade Federal de Ouro Preto

Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1993), especialização em Indústria pela Universidade Federal de Minas Gerais (1994), mestrado em Química pela Universidade Federal de Minas Gerais (1998), doutorado em Química pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004), pós-doutorado pela Universidade Federal de Minas Gerais (2005-2008), pós-doutorado pela Universidade de Aveiro (2008-2009) e pós-doutorado pela Universidade Federal de Minas Gerais (2009-2010). Atualmente é Professor Associado II da Universidade Federal de Ouro Preto, Revisor de periódico da Journal of Biomedical Materials Research. Part B, Applied Biomaterials, Revisor de periódico da Journal of Non-Crystalline Solids, Revisor de periódico da Journal of Sol-Gel Science and Technology e Membro de corpo editorial da Alemur. Tem experiência na área de Engenharia Biomédica, com ênfase em Engenharia Médica. Atuando principalmente nos seguintes temas: bioatividade, biovidro, biomaterial, sol-gel, nanopartículas magnéticas, liberação de fármacos.

Eleonice Moreira Santos, Profa. Dra., Escola de Nutriçao da Universidade Federal de Ouro Preto

Professora Adjunta na Universidade Federal de Ouro Preto, graduada em química (2005), mestrado (2007) e doutorado em bioquímica (2011), e pós doutorado (2015) em química. Tem experiência em oleoquímica e química de alimentos.

André Luís Silva, Prof. Dr., 7Departamento de Engenharia de Produção – Universidade Federal de Ouro Preto

Possui graduação em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Viçosa (2002), mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Minas Gerais (2006) e doutorado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Minas Gerais (2016) com doutorado sanduíche na Universite de Montreal (Canadá). Atualmente é professor da Universidade Federal de Ouro Preto. Tem experiência na área de Engenharia de Produção atuando principalmente nos seguintes temas: pesquisa operacional, otimização de sistemas computacionais e empreendedorismo.

Júlia Castro Mendes, Profa. Dra., Departamento de Engenharia Civil – Universidade Federal de Ouro Preto

Professora assistente na Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), áreas de Gestão de Obras e Patologias das Construções. Jovem Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (PROPEC - UFOP) e membro do grupo RECICLOS-CNPq de pesquisa em gerenciamento e reciclagem de resíduos sólidos. Doutora (2019) e Mestre (2016) em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Ouro Preto na área de matrizes cimentícias sustentáveis. Graduou-se na Universidade Federal de Juiz de Fora (2014), com trabalho final na área de modelagem computacional de estruturas. Atualmente coordena, em colaboração com outros professores, os projetos de extensão Engenheiros Sem Fronteiras e Projeto Labor (consultoria de empreendedorismo). Tem experiência na área de modelagem computacional de materiais, materiais e técnicas de construção sustentáveis, propriedades térmicas de matrizes cimentícias e aditivos para concreto.

Referências

Alon, T. M., Doepke, M., Olmstead-Rumsey, J., & Tertilt, M. (2020). The Impact of COVID-19 on Gender Equality. National Bureau of Economic Research, w26947. Recuperado de https://www.nber.org/papers/w26947.pdf

Antiqueira, L. M. O. R., & Sekine, E. S. (2020). Os erres & quot; pós-pandemia: princípios para sustentabilidade e cidadania. Revista Brasileira de Educação Ambiental, 15(4), 70-79.

Antonelli-Ponti, M., Valenti, L., Díaz, D. A. C., Picoli, R. M. M., & Versuti, F. M. (2018). Divulgação científica em psicobiologia: Educação à distância como estratégia para a promoção da extensão universitária. Expressa Extensão, 23(3), 183-197.

Audet, J., Tremblay, M., Chartier, S., & Contreras, C. (2018). Effective on-line entrepreneurial education: is it possible? Journal of Entrepreneurship Education, 21(3), 1528-2651.

Baldasso, E., Paradela, A. L., & Hussar, G. J. (2010). Reaproveitamento do óleo de fritura na fabricação de sabão. Engenharia Ambiental, 7(1), 216-228.

Bartik, A. W., Bertrand, M., Cullen, Z. B., Glaeser, E. L., Luca, M., & Stanton, C. T. (2020). How are small businesses adjusting to COVID-19? Early evidence from a survey. National Bureau of Economic Research, n. 26989. Recuperado de https://www.nber.org/papers/w26989

Beltrame, J. A. (2017). Educação musical on-line e semipresencial: possibilidades metodológicas na extensão universitária. Anais do Congresso Nacional da Associação Brasileira de Educação Musical, 23. Manaus: UFAM. Recuperado de http://abemeducacaomusical.com.br/conferencias/index.php/congresso2017/cna/paper/viewFile/ 2773/1494

Botaro, F. A. S., Guarda, V. L. M., Soares, R. D., & dos Santos, O. D. H. (2017). Aplicação lipoquímica como reciclagem do resíduo de óleo de frituras de unidades de alimentação e nutrição. Além dos Muros da Universidade, 2(2), 41-51.

Carvalho, A. M. P., & Gonçalves, M. E. R. (2000). Formação continuada de professores: O vídeo como tecnologia facilitadora da reflexão. Cadernos de Pesquisa, 111(1), 71-94.

Comitê Gestor da Internet no Brasil. (2020). TIC DOMICÍLIOS, 2019: Pesquisa Sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nos Domicílios Brasileiros. São Paulo: CETIC-BR. Recuperado de https://cetic.br/pesquisa/ domicilios/indicadores/.

Félix, S., Araújo, J., Pires, A. M., & Sousa, A. C. (2017). Soap production: A green prospective. Waste Management, 66(1), 190-195.

Fernandes, P. A., & Ramos, M. J. (2020). O sabão contra a COVID-19. Revista de Ciência Elementar, 8(2), 1-6.

Freitas, S. J. N., Brito, R. A., Barroso, R. M., Silva, J. A. C., Amorim, I. L. S., Cabral, A. C. L. C., & Gandra, A. L. F. (2020). Produção de sabão derivado do óleo vegetal: O caso da UEPA Marabá, Pará. Nature and Conservation, 13(2), 47-57.

Guarda, V. L. M., & Moura, F. V. (2016). Empreendedorismo Social em Projetos de Extensão Universitária: Estudo de caso – Análise das etapas de elaboração do projeto da cátedra UNESCO para o prêmio Santander universidade solidária 2013. Além dos Muros da Universidade, 1(1), 73-87.

Harayama, R. M., Lima, J. G., Costa, E. N., & Santos, J. T. R. (2020). Curso Covid-19 e o processo de trabalho na atenção primária à saúde: Territórios, atores e diálogos. Capim Dourado: Diálogos em Extensão, 3(2), 70-80.

Leal, C. M. D. S., Pereira, C. A. D. L., Ramos, A. P. D., Leite, A. A., & Oliveira, M. Z. G. C. T. (2011). Educação Ambiental e Gestão de Resíduos: Projeto SOLUZ–Sabão caseiro a partir do óleo de cozinha usado – Ano VI, no quilombo em Alagoa Grande-PB. Anais do Congresso Internacional de Resíduos Sólidos, Porto Alegre, 3. Porto Alegre: Instituto Venturini. Recuperado de http://www.institutoventuri.org.br/ojs/index.php/firs/article/view/523

Lima, A. A. S., Hora, A. L. F., Kellermann, D., Maia, J. S., & Carvalho, T. S. (2019). Massive Open On-line Courses na oferta de ensino de Empreendedorismo e Sustentabilidade. Revista de Administração, Sociedade e Inovação, 5(2), 241-265.

Luis, M. A. (2020). A experiência dos MOOC, na extensão universitária da Universidade Aberta de Portugal. Revista Angolana de Extensão Universitária, 2(1), 53-67.

Maddikeri, G. L., Pandit, A. B., & Gogate, P. R. (2012). Intensification approaches for biodiesel synthesis from waste cooking oil: A review. Industrial & Engineering Chemistry, 51(45), 14610-14628.

Núcleo de pesquisa, Ensino e Extensão da Cátedra UNESCO - Água, Mulheres e Desenvolvimento-UFOP [NuCat] (2020). Projeto Recursos Hídricos e Sabão Artesanal. Youtube, 28 abril de 2020. Recuperado de https://www.youtube.com/channel/UCdhaeeZTfZTMin62fmP0vUg/about

Organização Panamericana de Saúde/Organização Mundial da Saúde. (2020). Folha informativa – COVID-19 (doença causada pelo novo coronavírus). [S. l.]: OPAS/OMS. Recuperado de https://www.paho.org/bra/ index.php?option=com_content&view=article&id=6101:covid19&Itemid=875

Paris, M. (2019). Curso a distância: La Seguridad Hídrica y los objetivos de desarrollo sostenible. Cátedra Unesco Agua y Educación para el Desarrollo sostenible. Recuperado de http://fich.unl.edu.ar/catedraunesco

Pessoa, L. F., Alvarenga, M. E., Amaro, R. C., & Andrade, Â. L. (2016). Fabricação de sabão: Uma forma de conscientização, geração de renda e inclusão social. Além dos Muros da Universidade, 1(1), 46-53.

Pinho Júnior, S. R., Assis, P. S., Lacerda, F. K. D., & Oliveira, A. N. (2014). A extensão universitária em um polo de educação à distância: O caso de Nova Friburgo/RJ. EaD em Foco – Revista Científica em Educação à Distância, 4(1), 100-110.

Reis, M. F. P., Ellwanger, R. M., & Fleck, E. (2007). Destinação de óleos de fritura. Anais do Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, Belo Horizonte, 24. Belo Horizonte: UFMG.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (2019). Mas afinal, o que é empreendedorismo? Blog SEBRAE. [S. l.]: SEBRAE. Recuperado de https://blog.sebrae-sc.com.br/o-que-e-empreendedorismo/

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (2020). Pesquisa SEBRAE – O impacto da pandemia do coronavírus nos pequenos negócios. Portal SEBRAE. 3 ed. Coleta: 30 de abril a 5 de maio de 2020b. [S. l.]: SEBRAE. Recuperado de: https://datasebrae.com.br/wp-content/uploads/2020/04/Impacto-do-coronav%C3%ADrus-nas-MPE-2%C2%AAedicao_geral-v4-1.pdf

Shree Ram, B., & Selvaraj, M. (2012). Impact of computer based online entrepreneurship distance education in India. The Turkish Online Journal of Distance Education, 13(3), 247-259.

Souza, A. O., Santos, J. C., Nascimento, G. R., Monteiro, G. K. S., & Nascimento, J. R. (2020). Experiências exitosas de iniciação científica através do processamento de sabões ecológicos e saneantes domésticos: Tecnologias sociais e ambientais que tem gerado aprendizado, renda e inclusão no entorno do campus CNAT do IFRN. Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, 11, Vitória, 23 a 26 de novembro de 2020. Vitória/ES: IBEAS. Recuperado de http://www.ibeas.org.br/congresso/Trabalhos2020/VII-024.pdf

Su, J. F., Qiu, J., Schlangen, E., & Wang, Y. Y. (2015). Investigation the possibility of a new approach of using microcapsules containing waste cooking oil: In situ rejuvenation for aged bitumen. Construction and Building Materials, 74, 83-92.

Tianfeng, C., Huipeng, L., Hua, Z., & Kejian, L. (2013). Purification of crude glycerol from waste cooking oil based biodiesel production by orthogonal test method. China Petroleum. Processing and Petrochemical Technology, 15(1), 48-53.

Trombetta, C., Piccirella, S., Perini, D., Kistner, O., & Montomoli, E. (2015). Emerging influenza strains in the last two decades: A threat of a new pandemic? Vaccines, 3(1), 172-185.

Zen, H., Silva, J. O., Machado, G. E., Brum, R. A. & Brandão, J. B. (2020). Extensão através da utilização do Moodle em curso de formação em educação ambiental. Anais do SIEPE - Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão: Salão de Extensão Bagé/RS, 9(3). Bagé: UNIPAMPA. Recuperado de https://periodicos.unipampa.edu.br/index.php/SIEPE/ article/view/86022

Publicado
05-04-2021
Como Citar
GUARDA, V. L.; DE CASTRO, A. L.; MACHADO, M.; COSTA, A.; ANDRADE, ÂNGELA; SANTOS, E.; SILVA, A.; MENDES, J. A fabricação de sabão artesanal como forma de proteção dos recursos hídricos e auxílio no combate à pandemia da COVID-19, por meio do ensino a distância. Revista Brasileira de Extensão Universitária, v. 12, n. 1, p. 89-102, 5 abr. 2021.
Seção
Artigos