Ações de extensão com profissionais da saúde na atenção primária para a prevenção da toxoplasmose gestacional e congênita

  • Bruno Leotério dos Santos Universidade Federal de Jataí (UFJ)
  • Amaro José Alves Júnior Universidade Federal de Jataí (UFJ)
  • Giuliana Moura Marchese Universidade Federal de Jataí (UFJ)
  • Amanda Thais de Sousa Universidade Federal de Jataí (UFJ)
  • Isabella Cristina de Oliveira Lopes Universidade Federal de Jataí (UFJ)
  • Mariana Bodini Angeloni UFJ
Palavras-chave: Saúde Pública, Educação, Medicina, Gravidez

Resumo

A toxoplasmose é uma protozoonose, importante problema de saúde pública e potencialmente grave quando transmitida durante a gestação. A doença pode ter uma apresentação materna assintomática, e o tratamento não é totalmente eficaz para evitar a transmissão da doença durante a gestação. A melhor forma de evitar casos de toxoplasmose congênita é o acompanhamento das gestantes na atenção primária à saúde para orientá-las quanto às formas de prevenção da doença. Assim, esse trabalho teve como objetivos promover a transmissão de informações atualizadas e recentes sobre a toxoplasmose aos profissionais de saúde. O trabalho foi realizado por acadêmicos do curso de Medicina junto à profissionais de saúde das Unidades Básicas do município de Jataí/GO. Para isso, foram aplicados questionários para investigação do conhecimento sobre a toxoplasmose gestacional e, posteriormente, foram realizadas capacitações com esses profissionais sobre a doença e formas de prevenção da transmissão em gestantes. Após a análise dos questionários, foi possível verificar a importância dessas ações, já que 25% dos profissionais não apontaram carnes cruas ou malcozidas como formas de contaminação, e 100% destes entendem que a infecção prévia à gestação confere proteção total às gestantes, desconsiderando a possibilidade de reinfecções com cepas geneticamente diferentes à da infecção anterior. Essas ações de extensão promoveram o aprimoramento técnico-científico de profissionais da saúde sobre a toxoplasmose, garantindo maior eficiência na prevenção da transmissão da doença em gestantes, além de serem importantes na formação acadêmica dos estudantes que atuarão futuramente como médicos, garantindo aperfeiçoamento profissional e nas relações com os pacientes.

Palavras-chave: Saúde Pública; Educação; Medicina; Gravidez

University extension actions with healthcare professionals in primary care to prevent gestational and congenital toxoplasmosis

Abstract: Toxoplasmosis is a protozoonosis, an important public health problem and potentially severe when transmitted during pregnancy. The disease may have an asymptomatic maternal presentation, and treatment is not fully effective in preventing disease transmission during pregnancy. The best way to avoid congenital toxoplasmosis cases is the assistance of pregnant women in primary health care to guide them on how to prevent the disease. Thus, this work aimed to promote updated information and recent findings in toxoplasmosis to health professionals. Medical students carried out the work with health professionals from Basic Units in the city of Jataí/GO. Questionnaires were applied to investigate knowledge about gestational toxoplasmosis and, then, these professionals were trained about the disease and ways of preventing transmission in pregnant women. After analyzing questionnaires, it was possible to verify the importance of these actions since 25% of the professionals did not attribute raw or undercooked meats as forms of contamination and 100% of them understand that the infection before pregnancy gives full protection to pregnant women, disregarding the possibility of reinfections, with strains genetically different from the previous infection. These extension actions promote the technical-scientific improvement of health professionals on toxoplasmosis, focusing on preventing disease transmission in pregnant women. In addition, they were important in the academic training of students who will act as health professionals in the future, ensuring improvement in relations with patients.

Keywords: Public Health; Education; Medicine; Pregnancy

Referências

Câmara, J. T., Silva, M. G., & Castro, A. M. (2015). Prevalência de toxoplasmose em gestantes atendidas em dois centros de referência em uma cidade do Nordeste, Brasil. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 37(2), 64-70.

Cardoso, A. C. G., Santos, A. N., Guimarães, J. U., Pompeu, H. H. F. A., Coelho, E. C. S., Junior, A. M. F., ..., & Miranda, R. J. P. (2018). Tecnologia Educacional sobre toxoplasmose para gestantes do pré-natal de alto risco. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 11(1), 1-10.

Costa, A. C., Silva, E. G., Rocha, M. G., Domingues, R. J. S., Santos, S. N., & Bichara, C. N. C. (2017). Conhecimento sobre a toxoplasmose e associação com os fatores de risco pelas parturientes de um hospital de referência materno-infantil. Revista Interdisciplinar de Estudos em Saúde, 6(1), 50-60.

Dubey, J. P., Hill, D. E., Rozeboomb, D. W., Rajendrana, C., Choudharya, S., Ferreira, A. L. R., ..., & Suc, C. (2012). Toxoplasmosis in humans and animals in Brazil: High prevalence, high burden of disease, and epidemiology. Parasitology, 139(11), 1375-1424.

Falkenberg, M.B., Mendes, Moraes. E.P. & Souza, E.M. (2014). Educação em saúde e educação na saúde: Conceitos e implicações para a saúde coletiva. Ciência & Saúde Coletiva, 19(03), 847-852.

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. (2016). Guia Prático: Infecções no Ciclo Gravídico-Puerperal. Série orientações e recomendações, n. 1 - volume 2; São Paulo: FEBRASGO.

Foroutan-Rad, M., Majidiani, H., Dalvand, S., Daryani, A., Kooti, W., Saki, J., ..., & Ahmadpour, E. (2016). Toxoplasmosis in blood donors: A systematic review and meta-analysis. Transfusional Medical Review, 30(3), 116-122.

Giugno, S., Monteleone, M. M., Insalaco, G., Leanza, G., Palumbo, M. & Leanza, V. (2020). Congenital toxoplasmotic chorioretinitis following reinfection. European Journal of Obstetricts & Gynecology and Reproductive Biology, 251, 263-265.

Gómez-Chávez, F., Cañedo-Solares, I., Ortiz-Alegría, L. B., Flores-García, Y., Figueroa-Damián, R., Luna-Pastén, H., ... & Mora-González, J. C. (2020). A Proinflammatory immune response might determine Toxoplasma gondii vertical transmission and severity of clinical features in congenitally infected newborns. Frontiers in Immunology, 11, 390.

Lopes-Mori, F. M. R., Mitsuka-Breganó, R., Capobiango, J. D., Inoue, I. T., Reiche, E. M. V., Marimoto, H. K., ..., & Navarro, I. T. (2011). Programas de controle da toxoplasmose congênita. Revista da Associação Médica Brasileira, 57(5), 594-599.

Ministério da Saúde. (2012). Gestação de Alto Risco - Manual Técnico. 5ed. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_tecnico_gestacao_alto_risco.pdf

Ministério da Saúde. (2013). Glossário temático: Gestão do trabalho e da educação na saúde / Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. 2. ed., 2. reimpr. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/glossario_tematico_gestao_trabalho_educacao_ saude_2ed.pdf

Ministério da Saúde. (2019). Protocolo de Notificação e Investigação: Toxoplasmose gestacional e congênita. Brasília: Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Recuperado de https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_notificacao_investigacao_toxoplasmose_ gestacional_congenita.pdf

Moura, D. S., Oliveira, R. C. M., & Matos-Rocha, T. J. (2018). Toxoplasmose gestacional: Perfil epidemiológico e conhecimento das gestantes atendidas na unidade básica de saúde de um município alagoano. Arquivos Médicos dos Hospitais e da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, 63(2), 69-76.

Nascimento, T. L., Pacheco, C. M. & Sousa, F. F. (2017). Prevalência de Toxoplasma gondii em gestantes atendidas pelo Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde, 10(2), 96-101.

Rajapakse, S., Weeratunga, P., Rodrigo, C., de Silva, N. L., & Fernando, S. D. (2017). Prophylaxis of human toxoplasmosis: A systematic review. Pathogens and Global Health, 111(7), 333-342.

Sepulveda-Arias, J. C., Gomez-Marin, J. E., Bobic, B., Naranjo-Galvis, C. A., & Djurkovic-Djakovic O. (2014). Toxoplasmosis as a travel risk. Travel Medicine and Infectious Disease, 12(6), 592-601.

Silva, B. C. T., Gonçalves, D. D., Lopes, L. F., Diegas, P. H. F., Teixeira, V. F. & Esteves, A. P. V. S. (2019). Toxoplasmose congênita: Estratégias de controle durante o pré-natal. Revista Caderno de Medicina, 2(1), 16-26.

Soares, J. A. S. & Caldeira, A. P. (2019). Congenital toxoplasmosis: The challenge of early diagnosis of a complex and neglected disease. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 52, 1-3.

Publicado
30-11-2020
Como Citar
DOS SANTOS, B.; JÚNIOR, A.; MARCHESE, G.; DE SOUSA, A.; LOPES, I.; ANGELONI, M. Ações de extensão com profissionais da saúde na atenção primária para a prevenção da toxoplasmose gestacional e congênita. Revista Brasileira de Extensão Universitária, v. 11, n. 3, p. 407-416, 30 nov. 2020.
Seção
Artigos