Meliponário didático: a extensão universitária como uma estratégia para a conservação das abelhas sem ferrão no semiárido piauiense

  • Juliana Do Nascimento Bendini Universidade Federal do Piauí
  • Michelli Ferreira dos Santos
  • Maria Carolina de Abreu
  • Gardner Andrade Arrais
  • Maria Mayara Vieira
  • Wllamo Pacheco Coelho-Junior
  • Vanessa Alves Lima
Palavras-chave: Caatinga, Educação Ambiental, Meliponicultura, Biodiversidade

Resumo

Considerando a educação ambiental como instrumento de transformação e uma prioridade entre as ações rumo ao desenvolvimento sustentável, o projeto de extensão universitária “Meliponário didático: uma estratégia para a conservação das abelhas sem ferrão no semiárido piauiense” visa a sensibilização de crianças e jovens, estudantes da educação básica do município de Picos e região, quanto à importância e conservação das abelhas nativas do semiárido piauiense. O presente artigo tem como objetivo relatar as ações e impactos do referido projeto desenvolvido na Universidade Federal do Piauí, em Picos. Para isso, descreveu-se o projeto a partir da consolidação do espaço de aprendizagem, desde a formação dos acadêmicos e monitores até a realização das visitas.  Os visitantes primeiramente assistem à uma aula, ministrada pelos próprios acadêmicos, sobre as abelhas e seguem para o Meliponário onde observam as abelhas em atividade. Durante as visitas a observação de algumas expressões espontaneamente pronunciadas pelos alunos, nos auxiliam a avaliar os impactos positivos do projeto para a conservação das abelhas nativas, como: “Professora, as abelhas são os cupidos da natureza!” De abril de 2018 a novembro de 2019 foram recebidos 560 visitantes da rede pública de ensino de Picos, de IES e de outros municípios. Considera-se que as ações educativas promovidas no Meliponário Didático da UFPI configuram estratégias eficazes e necessárias para a constituição de uma relação sustentável com as abelhas.

Palavras-chave: Caatinga; Educação Ambiental; Meliponicultura; Biodiversidade

 

Didactic meliponary: University extension as a strategy for the conservation of stingless bees in the Piauí semiarid

Abstract: Considering Environmental Education as an instrument of transformation and a priority among actions towards sustainable development, the university extension project "Didactic meliponary: a strategy for conservation of stingless bees in the semi-arid region of Piauí" aims to raise the awareness of children and young people, students of primary education in the municipality of Picos and region, regarding the importance and conservation of native bees in the semi-arid region of Piauí. This paper aimed to report the actions and impacts of the referred project developed at the Federal University of Piauí, in Picos, Piauí State, Brazil. The consolidation of the learning space and the training of the monitors to conduct the visits were described. Visitors first attend a class taught by the academics about bees and proceed to the meliponary ("Meliponário") to observe the active bees and their social structure. During the visits, expressions spontaneously pronounced by the students are noted, which helps us to assess the positive impacts of the project for the conservation of native bees. One of the expressions was: "Teacher, bees are nature's cupids!" From April 2018 to November 2019, 560 visitors from public schools in Picos, IES, and other municipalities were received. It is considered that the educational actions promoted at UFPI's Didactic Meliponary are an effective and necessary strategy for the constitution of a sustainable relationship with bees.

Keywords: Caatinga; Environmental Education; Meliponiculture; Biodiversity

Referências

Barbosa, D. B., Crupinski, E. F., Silveira, R. N., & Limberger, D. C. H. (2017). As abelhas e seu serviço ecossistêmico de polinização. Revista Eletrônica Científica da UERGS, 3(4), 694-703.

Bölter, S. G., & Nogueira, S. V. (2018). Educação ambiental e os desafios para o desenvolvimento sustentável. Ambiente & Educação, 23(2), 452-465.

Brown, J. C., & Oliveira, M. L. (2014). The impact of agricultural colonization and deforestation on stingless bee (Apidae: Meliponini) composition and richness in Rondônia, Brazil. Apidologie, 45(2), 172–188.

Dorigo, A. S., Anjos, A., Marcato, A. C. C., Pires-Silva, D., Gonçalves, L. R., Anholeto, L. A., Choalak, L. R., ... & Cabral-De-Melo, D. (2020). Projeto Primeiros Passos na Ciência: rompendo barreiras sociais e estreitando laços entre a comunidade acadêmica e o Ensino Médio público. Revista Brasileira de Extensão Universitária, 11(1), 47-59.

Ferreira, E. A., Paixão, M. V. S., Koshiyama, A. S., & Lorenzon, M. C. (2013). Meliponicultura como ferramenta de aprendizado em educação ambiental. Ensino, Saúde e Ambiente, 6(3), 162-174.

Holzschuh, A., Dudenhöffer, J. H., & Tscharntke, T. (2012). Landscapes with wild bee habitats enhance pollination, fruit set and yield of sweet cherry. Biological Conservation, 1(153), 101–107.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. (2018). Produção Pecuária Municipal. [S. l.]: IBGE. Recuperado de https:// sidra.ibge.gov.br/pesquisa/ppm/quadros/brasil/2018.

Koglin, T. S. S., & Koglin, J. C. O. (2019). A importância da extensão nas universidades brasileiras e a transição do reconhecimento ao descaso. Revista Brasileira de Extensão Universitária, 10(2), 71-78.

Leite, R. V. V., Vicente, J. P. C., Oliveira, T. F. F. N., & Barros, P. K. S. (2016). O despertar para as abelhas: educação ambiental e contexto escolar. In CONEDU-Congresso Nacional de Educação, 3. (pp.1-12). Natal: Editora Realize.

Melquíades, C. C. V., & Bendini, J. N. (2017). Apicultura no semiárido piauiense: Perspectivas e desafios. In G. A. Arrais, & J. N. Bendini (Orgs.). Pesquisas e ações do grupo de estudos sobre abelhas do semiárido piauiense. (pp. 35-58). Teresina: EDUFPI.

Nogueira-Neto, P. (1997). Vida e criação de abelhas indígenas sem ferrão. São Paulo: Editora Nogueirapis.

Oliveira, F., & Kerr, W. E. (2000). Divisão de uma colônia de jupará (Melipona compressipes manaosensis) usando-se uma colmeia e o método de Fernando Oliveira. Manaus: INPA / MCT.

Pereira, C. D., Neto, J. T., Bustamante, N. C. R., Barbosa-Costa, K., Silva, C. G. N., Silva, A. C., ... & Carvalho-Zilse, G. A. (2008). Curso de meliponicultura, uma reflexão sobre a experiência concreta no ensino e uso sustentável da diversidade de abelhas na Amazônia. Arquivos do Mudi, 12(2/3), 43-49.

Pires, C. S. S., Pereira, F. D. M., Lopes, M. T. D. R., Nocelli, R. C. F., Malaspina, O., Pettis, J. S., & Teixeira, E. W. (2016). Enfraquecimento e perda de colônias de abelhas no Brasil: Há casos de CCD? Pesquisa Agropecuária Brasileira, 51(5), 422-442.

Ricketts, T. H., Regetz, J., Steffan-Dewenter, I., Cunningham, S. A., Kremen, C., Bogdanski, A., ... & Viana, B. F. (2008). Landscape effect on crop pollinators services: Are there general patterns? Ecology Letters, 11(5), 499-515.

Rosso, L., Carmona, J. M., & Garcia, J. (2003). Sensibilizacion en el conocimiento y manejo de abejas nativas por parte de la comunidad campesina Bella Vista (El Dovio, Colombia). Memorias do Seminário Mesoamericano sobre Abejas Sin Aguijon, 3. Tapachula: Chiapas, México. Recuperado de https://www.academia.edu/9324667/ SENSIBILIZACI%C3%93N_EN_EL_CONOCIMIENTO_Y_MANEJO_DE_ABEJAS_NATIVAS_POR_PARTE_DE_LA_COMUNIDAD_CAMPESINA_DE_BELLAVISTA_EL_DOVIO_COLOMBIA

Santana, C. D., & Silva, M. R. (2020). A percepção de estudantes da área da saúde sobre o trabalho interdisciplinar: Experiência no projeto de extensão Sorriso de Plantão. Revista Brasileira de Extensão Universitária, 11(1), 13-24.

Silva, C. I., Aleixo, K. O., Nunes-Silva, B., Freitas, B. M., & Imperatriz-Fonseca, V. L. (2014). Guia ilustrado de abelhas polinizadoras no Brasil. São Paulo: Instituto Avançado da Universidade de São Paulo.

Sousa, F. F. & Bendini, J. N. (2017). Acidentes com abelhas africanizadas na região de Picos, Piauí. 2017. In G. A. Arrais, & J. N. Bendini (Orgs.). Pesquisas e ações do grupo de estudos sobre abelhas do semiárido piauiense. (pp. 138-169). Teresina: EDUFPI.

Tavares, M. G., Araujo, J. M., Santana, W. C., Elizeu, A. M., Silva, L., A., Ladeira, J. S., ... & Lino-Neto, J. (2016). Abelhas sem ferrão: Educação para Conservação – Interação Ensino-Pesquisa-Extensão voltada para o Ensino Fundamental. Revista Brasileira de Extensão Universitária, 7(2), 113-120.

Teixeira, L. V., & Campos, F. N. M. (2005). Início da atividade de vôo em abelhas sem ferrão (Hymenoptera, Apidae): influência do tamanho da abelha e da temperatura ambiente. Revista Brasileira Zoociências, 7(2), 195-202.

Véras, R. M., & Souza, G. B. (2016). Extensão universitária e atividade curricular em comunidade e em sociedade na Universidade Federal da Bahia. Revista Brasileira de Extensão Universitária, 7(2), 83-90.

Villas-Bôas, J. (2012). Manual Tecnológico: Mel de Abelhas sem Ferrão. Brasília: Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN).

Publicado
04-09-2020
Como Citar
BENDINI, J.; DOS SANTOS, M.; DE ABREU, M.; ARRAIS, G.; VIEIRA, M.; COELHO-JUNIOR, W.; LIMA, V. Meliponário didático: a extensão universitária como uma estratégia para a conservação das abelhas sem ferrão no semiárido piauiense. Revista Brasileira de Extensão Universitária, v. 11, n. 3, p. 277-288, 4 set. 2020.
Seção
Artigos