University extension and teacher training in Brazil: the Zoology Summer Course

  • Karla D. Araujo Soares Universidade de São Paulo (USP)
  • Adriana Jeckel Universidade de São Paulo (USP)
  • Gabriel Silva
  • Victor Giovannetti
  • Kleber Mathubara
Palavras-chave: Pós-Graduação, Curso de Extensão, Estudantes, Biodiversidade

Resumo

Teacher training in higher education has been relatively neglected in Brazilian universities because postgraduate programs are mainly focused on the research that students produce. However, these postgraduate students are expected to become the next university and college professors. Herein, we present the experience of the Zoology Summer Course, a university extension course organized by graduate students from the Zoology Graduate Program at the University of São Paulo, Brazil. This course was created aimed to provide graduate students with an opportunity to develop and practice their teaching skills. To understand the influences, motives, and legacy of the CVZOO on its organizers, we developed a questionnaire and evaluated the responses by focusing on elements of academic formation and prospects for a teaching career, using systematic content analysis procedures as parameters. Our results demonstrate the importance of CVZOO as a space of dialogue and interaction for professional teacher training, as well as an opportunity to exchange experiences and build professional identity. The course has also influenced other academic activities such as the organization of scientific events, mentoring experience, and publications. Lastly, we discuss the importance of teacher training in Brazilian graduate programs and propose initiatives to improve the training of future university teachers.

Keywords: Graduation; Extension Course; Students; Biodiversity

 

Extensão universitária e formação docente no Brasil: o Curso de Verão em Zoologia  

Resumo: A formação docente universitária tem sido bastante negligenciada em universidade brasileiras, uma vez que programas de pós-graduação focam majoritariamente na produção acadêmico-científica de seus alunos. No entanto, espera-se que os pós-graduandos sejam a próxima geração de professores universitários. Neste estudo, nós apresentamos a experiência do Curso de Verão em Zoologia da Universidade de São Paulo, Brasil. Este curso foi criado com o objetivo de proporcionar aos estudantes de pós-graduação a oportunidade de desenvolver e praticar suas habilidades para docência. No intuito de entender as influências, motivações e legado do CVZOO em seus organizadores, nós desenvolvemos um questionário e avaliamos as respostas buscando elementos da formação acadêmica e prospecção para a carreira docente, usando procedimentos de análise de conteúdo como parâmetros Os resultados demonstram a importância do CVZOO como um espaço de diálogo e interação com a prática docente bem como uma oportunidade para trocar experiências e construir uma identidade profissional. O curso tem influenciado em outras atividades acadêmicas, tais como organização de eventos científicos, orientação de alunos e publicações. Por fim, este artigo discute a importância da formação docente em programas de pós-graduação no Brasil e propõe algumas iniciativas para melhorar a formação dos futuros professores universitários.

Palavras-chave: Pós-Graduação; Curso de Extensão; Estudantes; Biodiversidade

Biografia do Autor

Adriana Jeckel, Universidade de São Paulo (USP)

Laboratório de Anfíbios, Universidade de São Paulo, Programa de Pós-graduação em Zoologia, São Paulo, SP, Brasil.

Gabriel Silva

Laboratório de Educação Ambiental e Formação de Educadores, Universidade de São Paulo, Programa de Pós-graduação em Interunidades, São Paulo, SP, Brasil.

Victor Giovannetti

Laboratório de Ictiologia, Universidade de São Paulo, Programa de Pós-graduação em Zoologia, São Paulo, SP, Brasil.

Kleber Mathubara

Laboratório de Ictiologia, Universidade de São Paulo, Programa de Pós-graduação em Zoologia, São Paulo, SP, Brasil.

Referências

Anastasiou, L. G. C. (2011). Processos formativos de docentes universitários: Aspectos teóricos e práticos. In S. G. Pimenta & M. I. Almeida. (Eds.), Pedagogia universitária: Caminhos para a formação de professores. (pp. 44-74). São Paulo: Editora Cortez.

Anastasiou, L. G. C., & Alves, L. P. (2005). Estratégias de ensinagem. In L. G. C. Anastasiou & L. P. Alves (Orgs.). Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. (p. 67-100). 3. ed. Joinville: Univille.

Ausubel, D. P. (1982). A aprendizagem significativa: A teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.

Behrens, M. A. (2007). O paradigma da complexidade na formação e no desenvolvimento profissional de professores universitário. Educação, 3(63), 439-455.

Benedito, V., Paiva, V. S. F., & Ferrer, V. (1995). La formación universitária a debate. Barcelona, Spain: Universitat de Barcelona.

Beneti, J. S., Montesinos, R., & Giovannetti, V. (2007). Tópicos de pesquisa em Zoologia. São Paulo, Brasil: Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo.

Carneiro, M. A. (1985). Extensão universitária: Versão & perversões – Estudo tentativo de identificação do débito social das universidades federais do Nordeste. Rio de Janeiro: Presença Edições.

Chauí, M. de S. (2001). Escritos sobre a universidade. São Paulo: Editora da UNESP.

Coelho, G. C. (2014). o papel pedagógico da extensão universitária. Em Extensão, 13(2), 11-24.

Corrêa, E. J. (Org.) (2007). Extensão Universitária. Organização e sistematização / Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras Coordenação Nacional do FORPROEX. - Belo Horizonte: Coopmed.

Costa, A., & Silva, P. B. (2011). Extensão universitária brasileira: Possibilidades, limitações e desafios. São Paulo: Nelpa.

Cunha, M. I. A. (2006). Trajetórias e lugares de formação da docência universitária: Da perspectiva individual ao espaço institucional a ser realizado. São Leopoldo: Unisinos, PPGedu.

Deem, M. R., & Brehony, K. (2000). Doctoral students access to research cultures – Are some more equal than others? Studies in Higher Education, 25(2), 149–165.

Delamont, S., P., Atkinson, P., & Parry, O. (1997a). Critical mass and doctoral research: Reflections on the Harris Report. Studies in Higher Education, 22(3), 319–331.

Delamont, S., Parry, O., & Atkinson, P. (1997b). Critical mass and pedagogic continuity: Studies in academic habitus. British Journal of Sociology of Education, 18(4), 533–549.

Dimitrov, N., K., Meadows, E. D. H., Kustra, T., Ackerson, L., Prada, N., Baker, N., & Potter, M. K. (2014). Assessing graduate teaching development programs for impact on future faculty. Toronto: Higher Education Quality Council of Ontario.

Ferreira, A. P. (2010). Gestão universitária: Teoria e prática. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos.

FORPROEX. I Encontro de Pró-reitores de extensão das universidades públicas brasileiras. (1987) Brasília. Retrieved from http://www.renex.org.br/documentos/EncontroNacional/1987-I-Encontro Nacional-do-FORPROEX.pdf

FORPROEX. XXXI. Encontro de Pró-reitores de extensão das universidades públicas brasileiras. (2012). Manaus – AM. Retrieved from https://www.ufmg.br/proex/renex/images/documentos/2012-06-28-31o-Encontro-Nacional-Manaus.pdf

Freire, P. (1980). Extensão ou Comunicação? 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, S. M. (2011). Desafios da Extensão Universitária na Contemporaneidade. Revista Conexão UEPG, 7(1), 8-15.

Garcia, C. M. (1999). Formação de professores: Para uma mudança educativa. Lisboa: Porto.

Gardner, G. E., & Jones, M. G. (2011). Pedagogical preparation of the science graduate teaching assistant: Challenges and implications. Science Educator, 20(2), 31–41.

Gattás, M. L. B., & Furegato, A. R. F. (2007). A interdisciplinaridade na Educação. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 8(1), 85–91

Gatti, B. A. (2010). Formação de professores no Brasil: Características e problemas. Educação & Sociedade, 31(113), 1355-1379.

Gatti, B. A., & Nunes, M. M. R. (2009). Formação de professores para o ensino fundamental: Estudo de currículos das licenciaturas em Pedagogia, Língua Português, Matemática e Ciências Biológicas. São Paulo: Textos FCC.

Germano, M. G., & Kulesza, W.A. (2007). Popularização da ciência: Uma revisão conceitual. Caderno Brasileiro de Física, 24(1): 7-25.

Gisi, M. L., & Zainko, M. A. S. (Orgs.) (2003). Políticas e gestão da educação superior. Florianópolis/Curitiba: Insular/Champagnat.

Gomes, H. E. (1981). Como vai o sistema de comunicação na ciência da informação? Ciência da Informação, 10(1), 71-73.

Gonsalvez, A. J., Harris, D., & McAlpine, L. (2009). The zones framework for both teaching and learning: Application to graduate student teaching assistants. Journal of Further and Higher Education, 33(3), 205-218.

Ludke, M. (2005). Influências cruzadas na constituição e na expansão do sistema de pós-graduação stricto sensu em educação no Brasil. Revista Brasileira de Educação, 30, 117-123.

Luft, J. A., Kurdziel, J. P., Roehrig, G. H., & Turner, J. (2004). Growing a garden without water: Graduate teaching assistants in introductory science laboratories at a doctoral/research university. Journal of Research in Science Teaching, 41(3), 211–233.

De Mello, J. M. C., Maculan, A., & Renault, T. B. (2011). Brazilian universities and their contribution to innovation and development. In B. Göransson & C. Bundenius (Eds.), Universities in transition: The changing role and challenges for academic institutions. (pp. 54-77), Ottawa: Springer International Development Research Centre.

Ministério da Educação (1965). Parecer 977/65. Brasília: MEC/CFE, 44, 67-86.

Ministério da Educação (1969). Parecer 77/69. Brasília: MEC/CFE, 98, 128-132.

Ministério da Educação (1974). I Plano Nacional de Pós-Graduação. Brasília: MEC/CAPES.

Ministério da Educação (1982). II Plano Nacional de Pós-Graduação 1982-1985. Brasília: MEC/CAPES.

Ministério da Educação (1996). III Plano Nacional de Pós Graduação 1986-1989. Brasília: MEC/CAPES.

Ministério da Educação (2004). V Plano Nacional de Pós-Graduação (2005-2010). Brasília: MECCAPES. Retrieved from http://www.capes.gov.br/sobre-a-capes/plano-nacional-de-pos-graduacao

Nogueira, M. D. P. (2001) (Org.). Extensão Universitária: diretrizes conceituais e políticas: documentos básicos do Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras. Belo Horizonte: PROEX/UFMG.

Oliveira, T. M. N., & Garcia, B. R. Z. (2009). A extensão e o seu papel na formação acadêmica. Revista Univali, 14(1), 111-117.

O’Neals, C., Wright, M., Cook, C., Perorazio, T., & Purkiss, J. (2007). The impact of teaching assistants on student retention in the sciences. Journal of College Science Teaching, 36(5), 24-29.

Pachane, G. G., & Pereira, E. M. A. (2004). A importância da formação didático-pedagógica e a construção de um novo perfil para docentes universitários. Revista Iberoamericana de Educación, 35(1), 1-13.

Programa de Aperfeiçoamento de Ensino (2016). Diretrizes para a proposição das disciplinas da Etapa de Preparação Pedagógica. Universidade de São Paulo: Pró-Reitoria de Pós-graduação. Retrieved from http://www.prpg.usp.br/ attachments/article/631/Diretrizes%20para%20disciplina%20de%20EPP%20-%2029-09-2016.pdf

Paglis, L. L., Green, S. G., & Bauer, T. N. (2006). Does adviser mentoring add value? A longitudinal study of mentoring and doctoral student outcomes. Research in Higher Education, 47(4), 451–476.

Paoli, N. J. (1998). O princípio da indissociabilidade do ensino e da pesquisa: Elementos para uma discussão. Cadernos CEDES, 22.

Pelizzari, A., Kriegl, M. L., Baron, M. L, Finck, N. T. L., & Dorocinski, S. I. (2002). Teoria da aprendizagem significativa segundo Ausubel. Revista PEC, 2(1), 37-42.

Pereira dos Santos, M. (2012). Extensão universitária: Espaço de aprendizagem profissional e suas relações com o ensino e a pesquisa na Educação Superior. Revista Conexão UEPG, 8(2), 154-163.

Pimenta, S. G., & Anastasiou, L. das G. C. (2002). Docência no Ensino Superior. São Paulo: Cortez (coleção Docência em Formação v. 1).

Polesi, C., Sato, M. K., Bizerra, A. F., Franchi, N., Rocha, P. E. D., & Silva, D. A. (2018) Vida na extensão (Web Documentary). São Paulo, Brasil: Instituto de Biociências. Retrieved from http://vidanaextensao.ib.usp.br/#introdução

Rushin, J. W., Saix, J., Lumsden, A., Streubel, D. P., Summers, G., & Bernson, C. (1997). Graduate teaching assistant training: A basis for improvement of college biology teaching & faculty development? The American Biology Teacher, 59(2), 86–90.

Santos, J. H. S., Rocha, B. F., & Passaglio, K. T. (2016). Extensão universitária e formação no ensino superior. Revista Brasileira de Extensão Universitária, 7(1), 23-28.

Santos, M.L., & Perin, C.S.B. (2013). A importância do planejamento de ensino para o bom desempenho do professor em sala de aula. Paranavaí: Cadernos PDE.

Santos, M. P. (2010). Contributos da extensão universitária brasileira à formação acadêmica docente e discente no século XXI: Um debate necessário. Revista Conexão UEPG, 6(1), 10-15.

Sguissardi, V. (2010). Produtivismo acadêmico. In Oliveira, D. A.; Duarte, A.; Vieira, L. (Org.). Dicionário de trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: Faculdade de Educação UFMG.

Sinclair, J., Robyn, B., & Denise, C. (2014). How the doctorate contributes to the formation of active researchers: what the research tells us. Studies in Higher Education, 3(10), 1972-1986.

Soares, K. D. A, Mathubara, K. L., Lawley, J. W., Ribeiro, G. M., Bottallo, A. A. Q., Tiseo, G. R., & Rodrigues, I. S. C. (2018). Curso de verão em Zoologia: da Universidade de São Paulo para a América Latina. Anais e Resumos do Congresso Brasileiro de Zoologia, Foz do Iguaçu, 32. (pp. 692-692). Foz do Iguaçu, Brazil: UNILA.

Soares, S. R., & Cunha, M. I. (2010). Formação do professor: A docência universitária em busca de legitimidade. Salvador, Brazil: EDUFBA.

Vasconcelos, C., Praia, J. F., & Almeida, L. S. (2003). Teorias de aprendizagem e o ensino/aprendizagem das ciências: Da instrução à aprendizagem. Psicologia Escolar e Educacional, 7(1), 11-19.

Weidman, J. C., & Stein, L. E. (2003). Socialization of doctoral students to academic norms. Research in Higher Education, 44(6), 641–656.

Weidert, J. M., Wendorf, A. R., Gurung, R. A. R., & Filz, T. (2012). A Survey of graduate and undergraduate teaching assistants. College Teaching, 60(3), 95-103.

Zellers, D. F., Howard, V. M., & Barcic, M. A. (2008). Faculty mentoring programs: Reenvisioning rather than reinventing the wheel. Review of Education Research, 78(3), 552–88.

Publicado
14-09-2020
Como Citar
SOARES, K.; JECKEL, A.; SILVA, G.; GIOVANNETTI, V.; MATHUBARA, K. University extension and teacher training in Brazil: the Zoology Summer Course. Revista Brasileira de Extensão Universitária, v. 11, n. 3, p. 315-330, 14 set. 2020.
Seção
Artigos