O uso de sequências didáticas no ensino de Química: proposta para o estudo de modelos atômicos

Palavras-chave: Extensão Universitária, Educação Básica, Proposta Didática, Ciências da Natureza

Resumo

Este trabalho demonstra ações de extensão desenvolvidas no Projeto “A Química nossa de cada dia”, vinculado ao Curso de Licenciatura em Química da Universidade Estadual Vale do Acaraú, Sobral - Ceará. Este projeto visa melhorias no ensino de Química da Educação Básica, mediante a inserção de Sequências Didáticas (SD) nesse nível de ensino. O ensaio tem por escopo mostrar uma SD sobre modelos atômicos, aplicada a 30 alunos de uma turma de 1º ano do Ensino Médio de uma escola pública sobralense, bem assim analisar suas contribuições para o desenvolvimento cognitivo dos discentes e o cumprimento do papel da extensão no âmbito social a que o projeto se destina. Esta SD foi elaborada mediante a colaboração entre um professor universitário, dois licenciandos (bolsistas) e o professor de Química da escola participante. Preconizou-se a utilização de atividades lúdicas (teatro científico, jogo didático, cordel), debates, dentre outros recursos que procuraram possibilitar a participação ativa dos discentes na formulação de seu conhecimento. Observou-se que a SD teve seu grau de contribuição no aspecto cognitivo dos alunos, mas, sobretudo no ‘despertar’ do interesse pelo estudo da Química. A parte referente aos modelos de Rutheford e Böhr, todavia, demanda maior aprofundamento. A atividade com a qual os alunos mais se identificaram foi o teatro científico, e, a seu turno, a que despertou maior atenção e participação. Por fim, destaca-se o fato de que estas ações também contribuíram para aproximar o âmbito Universitário e a sala de aula da Educação Básica.

Palavras-chave: Extensão Universitária; Educação Básica; Ciências da Natureza; Proposta Didática

The use of didactic sequence in chemistry teaching: a proposal for the study of atomic models

Abstract: This paper presents the actions of an extension project called “Our Chemistry daily”, linked to the Chemistry course of the State University Vale do Acaraú, located in Sobral - Ceará. The project has aimed to promote improvements in the Basic Education chemistry teaching, through the introduction of Didactic Sequences (DS) at this level of education. The goal of this paper is to present a DS about atomic models, applied to 30 students of the 10h grade from a public high school, as well as to analyze its contribution to the cognitive development of these students and to fulfill the social role in which the project bases itself. This DS was elaborated through a collaboration between a University professor, two undergraduates, and a chemistry teacher of the given school. It was prioritized the use of playful activities (such as scientific theater, educational games, and Cordel literature), debates, and other resources that sought to enable active participation of students in the construction of their knowledge. It was noted that the DS had its contribution to the cognitive learning of the students, but, above all, in the ‘awakening’ of their interest in the study of Chemistry. However, the part referring to the Rutheford-Böhr models demands greater depth. The activity in which students were most interested was the scientific theater, which attracted the most attention and participation. Finally, it is noteworthy that these actions also contributed to bringing the University and the Basic Education closer together.

Keywords: University Extension Program; Basic Education; Natural Sciences; Didactic Proposal

Biografia do Autor

Luciana Rodrigues Leite, Universidade Vale do Acaraú - UVA

Professora Assistente D da Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA e pesquisadora do Grupo de Pesquisa Educação e Ciências da Natureza (UECE), desenvolvendo investigações na área de Ensino de Ciências e Química, com interesse nas seguintes linhas de pesquisa: formação de professores; estágio supervisionado e metodologias para o ensino de Ciências e de Química. Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Estadual do Ceará (PPGE/UECE), Mestre em Educação pela UECE, Especialista em Metodologia do Ensino em Biologia e Química e em coordenação pedagógica pela Universidade Federal do Ceará - UFC; Licenciada em Química pela Faculdade de Educação de Crateús (FAEC/UECE). Possui experiência de mais de 10 anos na Educação Básica, atuando como professora de Ciências no Ensino Fundamental e de Química no Ensino Médio, além de ter exercido a função de coordenadora pedagógica nesse âmbito escolar.

Acássio Paiva Rodrigues, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Licenciando em Química na Universidade Estadual Vale do Acaraú, bolsista de Iniciação Científica e de Extensão atuando na área de Ensino de Química. Foi bolsista do Programa de Bolsas de Iniciação a Docência (PIBID). Atualmente é professor de Química da Educação Básica. 

Maria Socorro Lucena Lima, Universidade Estadual do Ceará

Doutora em Educação na área de Didática, Teorias de Ensino e Práticas Escolares pela Universidade de São Paulo - USP (2001) com Pós-doutorado em Educação junto ao Departamento de Metodologia de Ensino e Educação Comparada na Universidade de São Paulo-USP (2007), com Estágio na Universidade do Minho-Portugal. Mestre em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará - UFC (1995), Graduada em Letras (1971) e em Pedagogia (1978) pela Universidade Regional do Cariri - URCA. Integra o quadro de pesquisadores do Programa de Pós-Graduação em Educação-PPGE da Universidade Estadual Estadual - UECE, na linha Docência no Ensino Superior e na Educação Básica. Foi Professora Visitante na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - UNILAB 2017-2019. Pertence ao Grupo de Estudos e Pesquisas em Formação de Educadores - GEPEFE e Grupo de Estudos e Pesquisas sobre a Formação do Educador e ELOSS - Educação e Cooperação Su -Sul - UNILAB.Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Didática e Estágio Curricular Supervisionado, trabalho docente, práticas escolares, docência no ensino superior e formação continua e professores.

Francisco Nunes De Souza Moura, Universidade Federal do Ceará

Mestrando em Educação Brasileira pela Universidade Federal do Ceará (PPGE/UFC), com bolsa da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico - FUNCAP. Licenciado em Ciências Biológicas pela Faculdade de Educação de Crateús/Universidade Estadual do Ceará - FAEC/UECE (2017). Sou Sócio da Associação Brasileira de Ensino de Biologia (SBEnBio); Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Ensino de Ciências (GEPENCI-PPGE/UFC/CNPq); e Professor Colaborador no projeto de extensão Crateús com Ciência: construindo cidadãos cientistas. Tenho experiências no Ensino de Ciências, com destaque no Ensino de Biologia, Educação em Saúde, Formação de Professores, Estratégias Didáticas e Tecnologias de Informação e Comunicação aplicadas na Educação Básica e Superior. 

Nairley Cardoso Sá Firmino, Coordenadoria de Formação Docente e Educação a Distância – CODEC/CED

Doutora em Biotecnologia (UFC - 2016), Mestre em Biotecnologia (UFC - 2012), Graduada em Licenciatura em Química (UVA - 2009). Atualmente trabalha como Coordenadora Adjunta do Curso de Química da UVA, professora de Química do Curso de Bacharelado em Farmácia e faz parte do Núcleo Docente Estruturante do curso de Bacharelado em Odontologia do Centro Universitário Inta - UNINTA. Além disso, desenvolve pesquisas na área de atividade biológica de moléculas provenientes de Produtos Naturais e na área de Ensino de Química, desenvolve atividades com uso de metodologias ativas para o aperfeiçoamento do processo de ensino-aprendizagem.

Francisco Jeovane Do Nascimento, Universidade Estadual do Ceará

Doutorando em Educação pela Universidade Estadual do Ceará (PPGE/UECE). Mestre em Educação pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), na linha Formação, Didática e Trabalho Docente e no eixo Ensino e suas tecnologias. Licenciado em Matemática pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). Atuou como Professor do Ensino Fundamental II na rede pública de ensino no município de Ipueiras/CE e como docente do ensino Fundamental I e II na rede pública de ensino no município de Sobral-CE. Bolsista do Programa Institucional de Iniciação a Docência (PIBID/UVA/Matemática) entre os anos de 2010 e 2011. Possui trabalhos publicados na área da Educação, com ênfase na Educação Matemática e Pedagogia, atuando também na Formação de Professores. Atualmente é Professor efetivo da rede estadual de ensino do Ceará (SEDUC/CE).

Eliziane Rocha Castro, Universidade Estadual do Ceará

Doutoranda em Educação pela Universidade Estadual do Ceará (PPGE/UECE). Mestra em Educação (PPGE/UECE). Integrante do Grupo de Pesquisa Matemática e Ensino (UECE) e do Grupo de Pesquisa Educação Matemática, Ciências e Produção de Saberes (UFMA). Licenciada em Matemática (UEMA) e Pedagogia (FSF). Atualmente atuando como Coordenadora do Núcleo de Formação Continuada da Secretaria Municipal de Educação de Raposa/MA. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Infantil e Ensino Fundamental atuando principalmente nos seguintes temas: Formação de professores, Educação Matemática, Alfabetização e Letramento.

Fabiana Martins Aragão, Secretaria de Educação do Estado do Ceará - SEDUC

Graduada em Química pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (2009). Especialista em Gestão Escolar pela Faculdade Pitágoras (2019). Foi bolsista de iniciação científica no laboratório de Química Orgânica da UVA (2008 a 2009). Também atuou como bolsista supervisora no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência (PIBID) (2015 a 2018). Hoje atua como professora colaboradora do projeto de Extensão "A Química nossa de cada dia" vinculado ao curso de Química, realizando pesquisas no âmbito do ensino de Química, e é professora efetiva da rede estadual de educação básica do estado do Ceará.

Referências

Almouloud, S. A., & Coutinho, C. D. Q. E. S. (2008). Engenharia Didática: Características e seus usos em trabalhos apresentados no GT-19/ANPEd. Revista Eletrônica de Educação Matemática, 3(1), 62-77.

Altarugio, M. H., Diniz, M. L., & Locatelli, S. W. (2010). O debate como estratégia em aulas de Química. Química Nova na Escola, 32(1), 26-30.

Beltran, R. H. M., Saito, F., & Trindade, P. S. L. (2014). História da Ciência para formação de professores. São Paulo: Ed. Livraria da Física.

Berto, J. A., & Lorenzetti, L. (2019). Sequência didática para estudo da queda dos corpos: Uma possibilidade de educação científica. Revista Rede Amazônica de Educação Matemática, 7(2), 261-279.

Bezerra, R. S., Nunes, A. O., & Alves, L. A. (2018). O Teatro Científico: Uma ferramenta interdisciplinar. Revista Eletrônica Científica Ensino Interdisciplinar, 4(10), 140-151.

Chizzotti, A. (2003). A pesquisa qualitativa em Ciências Humanas e Sociais: Evolução e desafios. Revista Portuguesa de Educação, 16(2), 221-236.

Coll, C., & Solé, I. (1996) A interação professor/aluno no processo de ensino e aprendizagem. In C. Cool, J. Palacios, & A. Marchesi, (Eds.), Desenvolvimento psicológico e educação: Psicologia da educação. (pp. 281-297). Porto Alegre: ArtMed.

Felício, C. M., & Soares, M. H. F. B. (2018). Da Intencionalidade à responsabilidade lúdica: Novos termos para uma reflexão sobre o uso de jogos no ensino de química. Química Nova na Escola, 40(3), 160-168.

Fernandes, L. S., & Campos, A. F. (2017). Tendências de pesquisa sobre a resolução de problemas em Química. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 16(3), 458–482.

Libâneo, J. C. (2013). Didática. 2. ed. São Paulo: Cortez.

Melo, M. R., & Neto, E. G. L. (2013). Dificuldades de ensino e aprendizagem dos modelos atômicos em Química. Química Nova na Escola, 35(2), 112-122.

Méheut, M. (2005). Teaching-learning sequences tools for learning and/or research. In K. Boersma, M. Goedhart, O. De Jong, & H. Eijkelholf (Eds.), Research and the quality of Science Education. (pp. 195-207). Dordrecht: Springer.

Méheut, M., & Psillos, D. (2004). Teaching-learning sequences: Aims and tools for science education research. International Journal of Science Education, 26(5), 515-535.

Pinheiro, R. F., & Rocha, M. B. (2018). Contribuição de uma Sequência Didática no ensino de ciências para combate ao Aedes aegypti. Ensino, Saúde e Ambiente, 11(3), 186-201.

Rodrigues, J. B. S., Santos, P. M. M., Lima, R. S., Saldanha, T. C. B., & Weber, K. C. (2017). O milho das comidas típicas juninas: Uma sequência didática para a contextualização sociocultural no ensino de Química. Química Nova na Escola, 39(2), 179-185.

Santos, W. L. P., & Schnetzler, R. P. (1996). Função social: O que significa ensino de Química para formar o cidadão? Química Nova na Escola, 2(4), 28-34.

Simões Neto, J. E., & Prates Júnior, M. S. L. (2012). Situações-Problema como estratégia didática para o ensino de modelos atômicos. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 8(3), 181-201.

Valério, J. S., Silva, L. C., & Oliveira, J. R. S. (2019). Contribuições do teatro de divulgação científica por meio da peça o mágico de O2. Ensino de Ciências e Tecnologia em Revista, 9(2), 67-81.

Zabala, A. (1998). A Prática Educativa: Como educar. Porto Alegre: Artmed.

Publicado
07-07-2020
Como Citar
LEITE, L.; RODRIGUES, A.; LIMA, M. S.; MOURA, F. N.; FIRMINO, N.; DO NASCIMENTO, F.; CASTRO, E.; ARAGÃO, F. O uso de sequências didáticas no ensino de Química: proposta para o estudo de modelos atômicos. Revista Brasileira de Extensão Universitária, v. 11, n. 2, p. 177-188, 7 jul. 2020.
Seção
Artigos