O papel da divulgação científica em Astrofísica na velhice: relato de uma experiência na extensão universitária

  • Alan Alves-Brito Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Neusa Teresinha Massoni Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) https://orcid.org/0000-0002-1145-111X
Palavras-chave: Educação em Ciências, Cultura científica, Idosos

Resumo

A divulgação das ciências exatas para grupos sociais historicamente marginalizados é um dos grandes desafios da extensão universitária neste século. O principal objetivo deste artigo é apresentar os resultados de um projeto de extensão focado na divulgação cultural e científica da Astrofísica para pessoas idosas. Obtivemos, a partir da organização e execução de cursos de difusão científica de Astronomia e Astrofísica, em diferentes contextos, uma excelente aceitação de parte do público idoso, mas identificamos como maior dificuldade o convencimento dos pares na academia de que há interesse e potencial de compreensão de temas científicos nessa faixa etária. Defendemos que esse preconceito aos idosos precisa ser trabalhado e superado. Usando diferentes referenciais teóricos, apresentamos reflexões críticas, bem como discutimos a importância e o impacto de nossas atividades para potencializar e fortalecer a autoestima de pessoas idosas.

Palavras-chave: Educação em Ciências; Cultura científica; Idosos

 

The role of science communication in Astrophysics in old age: report of an experience in university extension

Abstract: The dissemination of the exact sciences to historically marginalized social groups is one of the greatest challenges of university outreach in this century. The main goal of this paper is to present the results of an outreach project focused on the cultural and scientific dissemination of Astrophysics for elderly people. We obtained from the organization and execution of courses of scientific dissemination of Astronomy and Astrophysics, in different contexts, an excellent acceptance by part of the elderly public, but we identified as a greater difficulty the convincing of peers in the academy that there are interest and potential for understanding scientific topics in this age group. We argue that these misconceptions against the elderly need to be worked on and overcome. Using different theoretical references, we present critical reflections, as well as discuss the importance and impact of our activities to enhance and strengthen the self-esteem of elderly people.

Keywords: Science Education; Scientific culture; Elderly

Referências

Ausubel, D. P, Novak, J. D., & Hanesian, H. (1980). Psicologia Educacional. 2. ed. Rio de Janeiro: Interamericana.

Bauman, Z. (1998). O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Bourdieu, P. (1983). Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero.

Conselho Nacional de Educação (CNE), Brasil (2011). Parecer CNE/CEB no 5/2011, aprovado em 5 de maio de 2011 - Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio.

Fórum dos Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras – FORPROEX (2007). Extensão Universitária: Organização e sistematização. Universidade Federal de Minas Gerais, PROEX, COOPMED Editora.

Secretaria de Educação Fundamental (1998). Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental - MEC/ SEF.

Chaui, M. (1995). Cultura política e política cultural. Estudos Avançados. 9, 23.

Chevallard, Y, & Johsua, M. A. (1982). Um exemplo de análise de transposição didática: A noção de distância. vol. 3.1, Grenobel: La Pensée Sauvage.

Debert, G. G. (2004). A reinvenção da velhice. São Paulo: EDUSP.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Hoffmann, J. L. (2017). Um diálogo sobre as concepções alternativas presentes no ensino das Ciências. Arquivos do MUDI, 21(3), 90-101.

Krause, J. C., & Scheid, N. M. J. (2018). Concepções alternativas sobre conceitos básicos de Física de estudantes ingressantes em curso superior da área tecnológica: Um estudo comparativo. Espaço Pedagógico, 25(2), 227-240.

Larrosa, J. (2018). Esperando não se sabe o que: Sobre o ofício de professor. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Mannheim, K. (1993). El problema de las generaciones. Reis: Revista Española de Investigaciones Sociológicas 62, 193-242.

Ministério da Educação, Brasil (S/d). Base Nacional Comum Curricular. Brasília: Ministério da Educação. Recuperado de: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf

Monteiro, P. P. (2005). Envelhecer: Histórias, encontros, transformações. 3. edição. Belo Horizonte: Autêntica.

Moreira, I. de C., & Massarani, L. A divulgação científica no Rio de Janeiro: Algumas reflexões sobre a década de 20. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 7(3), 627-651, 2001.

Organização Mundial de Saúde (OMS). Envelhecimento Ativo: Uma política de Saúde. Brasília: OMS, 2005. Recuperado de: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/envelhecimento_ativo.pdf

Patiño Barba, Ma. de L., Gonzalez, J. P., & Massarani, L. (2017). Diagnóstico de la divulgación de la ciencia en América: Una mirada a la práctica de campo. León, Gto. México: Fibonacci – Innovación y Cultura Científica, A.C., RedPOP.

Peduzzi, S. S. (2005). Concepções alternativas em mecânica. In M. Pietrocola (Org.). Ensino de Física: Conteúdo, metodologia e epistemologia em uma concepção integradora. (pp. 53-75), Florianópolis: Editora da UFSC.

Silveira, M. L. (2013). Dificuldades de aprendizagem e concepções alternativas em Biologia: A visão de professores em formação sobre o conteúdo de citologia. (Dissertação de Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Naturais e Matemática). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil.

Valadares, E. C. (2001). Novas estratégias de divulgação científica e de revitalização do ensino de ciências nas escolas. Física na Escola, 2, (2), 10-13.

Publicado
08-07-2020
Como Citar
ALVES-BRITO, A.; MASSONI, N. O papel da divulgação científica em Astrofísica na velhice: relato de uma experiência na extensão universitária. Revista Brasileira de Extensão Universitária, v. 11, n. 2, p. 199-212, 8 jul. 2020.
Seção
Artigos