TRAJETÓRIA PARA CURRICULARIZAÇÃO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: CONTRIBUIÇÕES DO FÓRUM NACIONAL DE EXTENSÃO DAS UNIVERSIDADES COMUNITÁRIAS - FOREXT E A DEFINIÇÃO DE DIRETRIZES NACIONAIS

Palavras-chave: Creditação Curricular, Concepção de Extensão, Princípios, Ensino Superior

Resumo

A extensão universitária é um processo educativo de grande relevância acadêmica. Seu reconhecimento está atrelado ao importante papel exercido pelos Fóruns de Extensão das universidades. A atuação dos fóruns também fomentou a institucionalização da extensão e assinalou a curricularização como alternativa para sua efetivação. Contudo, essa creditação da extensão nos cursos de graduação tem se apresentado como um desafio para as instituições de ensino superior, principalmente pela recente publicação de Diretrizes nacionais para extensão. O Fórum Nacional de Extensão das Universidades Comunitárias FOREXT apresentou atuação importante no pleito dessa discussão junto ao Ministério da Educação - MEC, que instituiu o trabalho conjunto dos fóruns para o estabelecimento dessas Diretrizes. Dessa forma, o objetivo do presente trabalho é identificar a trajetória que leva à curricularização da extensão universitária e o papel do FOREXT no estabelecimento de diretrizes para a extensão brasileira. A metodologia, de natureza exploratória, envolve análise documental e bibliográfica, para o resgate histórico do conceito de extensão. Como resultados, têm-se, primeiramente, a identificação de que o reconhecimento da extensão apresenta avanços importantes ao longo da história, para os quais a atuação do FOREXT foi significativa. Além disso, a definição de conceitos é fundamental para viabilizar a institucionalização da extensão, tendo em vista que sua trajetória favoreceu a concomitância de diferentes modelos nas universidades. Por fim, a implantação das Diretrizes em âmbito nacional vem permitindo a qualificação das práticas extensionistas e a ampliação de sua abrangência de forma pertinente.

Palavras-chave: Creditação Curricular; Concepção de Extensão; Princípios; Ensino Superior

 

The trajectory for the insertion of university extension in the academic curriculum: FOREXT and national guidelines

Abstract: University Extension is an educational process of high academic relevance. The University Extension’s qualification recognition is linked to the important role played by Universities Extension Forums from Brazil. The activities of the forums also fostered the extension’s institutionalization, marking its insertion in the academic curriculum as an alternative for effectiveness. However, this endorsement in the undergraduate courses has been a challenge for higher education institutions, mainly due to the presented national guidelines for the practice of extension. The Extension National Forum of Community Universities - FOREXT presented an essential role in the discussion at the Ministry of Education, which highlighted the forum’s work team to establish these guidelines. Hence, this work aimed to identify the trajectory that leads to the insertion of the university extension in the academic curriculum and the role of FOREXT in the establishment of guidelines for the practice of university extension in Brazil. The methodology, which has exploratory nature, comprises documentary and bibliographic analysis, to review the extension concept. As a primer result, we identified that the endorsement of extension presents important advances throughout history, due to FOREXT’s significant contribution. Besides, we verified that the concept definition is central to enable the institutionalization of university extension, considering that its trajectory was propitious to different and concomitant models in the universities. Finally, we corroborated the nationwide implementation of the guidelines has qualified the extension practices and allowed the enlargement of its scope correctly.

Keywords: Curriculum crediting; University Extension Concept; Principles; Higher Education.

 

Trayectoria para la curricularización de la extensión universitária: FOREXT y directrices nacionales  

Resumen: La extensión universitaria es un proceso educativo de gran relevancia académica. Su reconocimiento está vinculado al importante papel desempeñado por los Foros de Extensión Universitaria. Las actividades de los foros también fomentaron la institucionalización de la extensión y señalaron la curricularización como una alternativa para su realización. Sin embargo, esta acreditación de extensión en cursos de grado se ha sido un desafío para las instituciones de educación superior, principalmente debido a la reciente publicación de las Directrices Nacionales de Extensión de Brasil. El Foro Nacional de Extensión de las Universidades Comunitarias -FOREXT presentó un papel importante en esta discusión con el Ministerio de Educación - MEC, que instituyó el trabajo conjunto de los foros para el establecimiento de estas Directrices. Por lo tanto, el objetivo del presente trabajo es identificar la trayectoria que conduce a la curricularización de la extensión universitaria y el papel del FOREXT en el establecimiento de directrices para la extensión brasileña. La metodología, de naturaleza exploratoria, implica el análisis documental y bibliográfico, para el rescate histórico del concepto de extensión. Como resultado, tenemos, primero, la identificación de que el reconocimiento de extensión presenta avances importantes a lo largo de la historia, para cual el desempeño de FOREXT fue significativo. Además, la definición de conceptos es fundamental para permitir la institucionalización de la extensión, dado que su trayectoria favoreció la concomitancia de diferentes modelos en las universidades. Finalmente, la implementación de las Directrices a nivel nacional ha permitido calificar las prácticas extensionistas y expandir su alcance de manera pertinente.

Palabras-clave: Acreditación curricular; Concepción de extensión; Principios; Enseñanza superior

Biografia do Autor

Luciane Iwanczuk Steigleder, Universidade Feevale

Mestranda em Diversidade Cultural e Inclusão Social, na linha de pesquisa de Inclusão Social e Políticas Públicas, Especialista em Comunicação Digital (2010). Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas (2008) - CONRERP4 2954. Experiência na organização de eventos sociais, empresariais e acadêmicos, participando de comissões organizadoras e científicas. Atuação na gestão de projetos de extensão e organização do Relatório de Responsabilidade Social da Universidade Feevale (2013-2019).

Dinorá Tereza Zucchetti, Universidade Feevale

Possui graduação em Serviço Social pela Universidade de Caxias do Sul (1986) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2002). É professora titular da Universidade Feevale no Programa de Pós-Graduação em Diversidade Cultural e Inclusão Social. É bolsista Produtividade em Pesquisa (CNPq) e pesquisadora convidada do Instituto Politécnico de Leiria - Portugal. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Políticas Públicas, Educação no Campo Social e Educação e Trabalho, atuando principalmente nos seguintes temas: educação não escolar, educação em tempo integral e formação de educadores. Possui publicações nas Revistas: Ensaio Educação em Revista, Revista Brasileira de Educação, Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Cadernos de Pesquisa, entre outras. Integrante da Red Relepe - Red de Estudios Teoricos y Epistemológicos en Política Educativa e da Red Estrado - Red Latinoamericana de Estudios sobre Trabajo Docente. Líder do Grupo de Pesquisa (CNPq) Estudos, Pesquisas e Praticas em Educação Não Escolar. Conselheira do Conselho Municipal de Educação de Novo Hamburgo/RS. Membro do Fórum Municipal de Educação de Novo Hamburgo/RS. 

Rosemari Lorenz Martins, Universidade Feevale

Graduada em Letras- Português/Alemão (1993), Especialista em Linguística do Texto (1996) e Mestre em Ciências da Comunicação (1999) pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos e Doutora em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2013). Atualmente é professora permanente do Mestrado Profissional em Letras, professora colaboradora do Programa em Diversidade Cultural e Inclusão Social e professora do curso de Letras da Universidade Feevale. Atua como pesquisadora nos grupos de pesquisa Linguagens e Manifestações Culturais e Informática na Educação. Tem experiência na área de Letras, atuando principalmente nos seguintes temas: leitura, aquisição da linguagem e letramento, variação linguística e ensino.

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União, S. 1, pp. 1-32, 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ constituicao/constituicao.htm> Acesso em: 28 mar. 2019.

BRASIL. Lei 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União, p. 1, 2001. Disponível em < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10172.htm> Acesso em: 28 mar. 2019.

BRASIL. Lei 12.881, de 12 de novembro de 2013. Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das Instituições Comunitárias de Educação Superior - ICES, disciplina o Termo de Parceria e dá outras providências. Diário Oficial da União, S. 1, p.1, 2013. Edição Extra. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12881.htm> Acesso em: 07 abr. 2019.

BRASIL. Lei 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE. Diário Oficial da União, S. 1, p. 1. Edição extra. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm> Acesso em: 28 mar. 2019.

BRASIL. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, S. 1, p. 27833, 1996. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/ l9394.htm> Acesso em: 28 mar. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação – MEC, Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CES Nº 7, de 18 de dezembro de 2018a. Diário Oficial da União, S.1, pp 49-50, 2018. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=104251-rces007-18&category_slug=dezembro-2018-pdf&Itemid=30192> Acesso em: 06 mar. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação – MEC, Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES No 608/2018. Brasília: 2018b. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/docman/novembro-2018-pdf/102551-pces608-18/file> Acesso em: 06 mar. 2019.

FOREXT. Carta de Camboriú - XX Encontro Nacional Extensão e Ação Comunitária, XV Assembleia Nacional e X Mostra de Extensão do ForExt. Itajaí: 2013b. Disponível em: <http://portal.pucminas.br/ forext/index_padrao.php?pagina=4563> Acesso em: 21 abr. 2019.

FOREXT. Carta de Campinas - XXI Encontro Nacional Extensão e Ação Comunitária, XVI Assembleia Nacional. Campinas: SP, 2014. Arquivo pessoal. Acesso em: 18 mai. 2019.

FOREXT. Carta de Porto Alegre - XVI Encontro Nacional Extensão e Ação Comunitária, XI Assembleia Nacional do ForExt. Porto Alegre: 2009. Disponível em: <http://portal.pucminas.br/forext/index_padrao.php?pagina=4563> Acesso em: 21 abr. 2019.

FOREXT. Extensão nas Instituições Comunitárias de Ensino Superior: referenciais para a construção de uma Política Nacional da Extensão nas ICES. Itajaí: Editora Univali, 2013a. Disponível em: <http://www1.pucminas.br/imagedb/documento/DOC_DSC_NOME_ARQUI20150309182334.pdf?_ga=2.79447572.182010948.1556457703-1635084865.1555886807> Acesso em: 07 abr. 2019.

FORPROEX. Plano Nacional de Extensão Universitária. 1998. Coleção Extensão Universitária FORPROEX, vol. I. Disponível em: < https://www.ufmg.br/proex/renex/images/documentos/Plano-nacional-de-extensao-universitaria-editado.pdf> Acesso em: 28 mar. 2019.

FORPROEX. Política Nacional de Extensão Universitária. Manaus: 2012. Disponível em: <https://www.ufmg.br/proex/renex/images/documentos/2012-07-13-Politica-Nacional-de-Extensao.pdf> Acesso em: 28 mar. 2019.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006.

GADOTTI, Moacir. Extensão universitária: para quê? São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2017. Disponível em <https://www.paulofreire.org/images/pdfs/Extens%C3%A3o_Universit%C3%A1ria_-_Moacir_Gadotti_fevereiro_2017.pdf> Acesso em: 14 abr. 2019.

IMPERATORE, J. L. R.; PEDDE, V.; IMPERATORE, S. L. B. Curricularizar a extensão ou extensionalizar o currículo? Aportes teóricos e práticas de integração curricular da Extensão ante a estratégia 12.7 do PNE, 2015, Mar del Plata. Anais eletrônicos do XV Colóquio Internacional de Gestão Universitária – CIGU, Desafios da Gestão Universitária no Século XXI. Mar del Plata: UFSC, 2015. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/136064> Acesso em: 07 abr. 2019.

SANTOS, P. F.; SANTOS, C. F. A História da Extensão Universitária no Brasil e o Fórum Nacional de Extensão e Ação Comunitária das Universidades e IES Comunitárias. In: MENEZES, A. L. T., SIVERES, Luiz. (orgs.) Transcendendo Fronteiras: A contribuição da Extensão das Instituições Comunitárias de Ensino Superior. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2011. p. 206 – 227.

VASCONCELOS, E. M. Complexidade e pesquisa interdisciplinar: epistemologia e metodologia operativa. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

Publicado
10-12-2019
Como Citar
STEIGLEDER, L.; ZUCCHETTI, D.; MARTINS, R. TRAJETÓRIA PARA CURRICULARIZAÇÃO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: CONTRIBUIÇÕES DO FÓRUM NACIONAL DE EXTENSÃO DAS UNIVERSIDADES COMUNITÁRIAS - FOREXT E A DEFINIÇÃO DE DIRETRIZES NACIONAIS. Revista Brasileira de Extensão Universitária, v. 10, n. 3, p. 167-174, 10 dez. 2019.
Seção
Artigos