Um projeto socioeducativo com crianças e jovens do Lar da Menina

  • Ana Sara Castaman Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul
  • Andréia Paula Franceschi Machado Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Organizações Não-Governamentais, Socioeducativo, Vínculos Sociais, Autonomia

Resumo

O fortalecimento de laços e vínculos possui caráter preventivo, pautado na defesa dos direitos e no desenvolvimento das capacidades e potencialidades de cada indivíduo, bem como precavendo situações de vulnerabilidade. Logo, uma das tarefas relevantes dos projetos socioeducativos é permitir aos participantes condições para que possam se assumir enquanto seres sociais, críticos, históricos, pensantes e transformadores. Assim, este ensaio tem por finalidade apresentar o projeto socioeducativo de extensão desenvolvido com as crianças e adolescentes em vulnerabilidade social na Ação Social Getuliense Nossa Senhora da Salete - Lar da Menina, em Getúlio Vargas/RS. Realizaram-se oficinas (rodas de conversa, atividades práticas e lúdicas, dinâmicas, esportes) voltadas para a socialização, o diálogo, a conscientização, a prevenção, o desenvolvimento da autonomia, a escuta, o acolhimento, a complementação de ações da família e da comunidade na proteção e desenvolvimento das crianças e adolescentes, a ampliação do universo informacional, entre outros. Apresenta-se a experiência e a contribuição das ações socioeducativas para a autonomia do sujeito e o fortalecimento de laços e vínculos. Conclui-se que o projeto socioeducativo tem contribuído para a formação de seus participantes enquanto seres autônomos e críticos, bem como tem fortalecidos os laços e vínculos.

Palavras-chave: Organizações Não-Governamentais; Socioeducativo; Vínculos Sociais; Autonomia

Socio-educational project with child and young people in the ‘Lar da Menina’ House

Abstract: The strengthening of social ties and bonds has a preventive character, based on the human rights defense, and the development of the individual potential capacities, as well as to prevent situations of vulnerability. Therefore, one of the relevant tasks of socio-educational projects is to provide participants with conditions so that they can come out as social, critical, historical, thinking, and transforming beings. Thus, this essay aims to present the socio-educational extension project developed with children and adolescents in social vulnerability at the “Ação Getuliense Nossa Senhora da Salete - Lar da Menina”, in Getúlio Vargas, Rio Grande do Sul State, Brazil. Workshops (conversation circles, practical and playful activities, dynamics, sports) were held aimed at socialization, dialogue, awareness, prevention, development of autonomy, listening, welcoming, complementing family actions and community in the protection and development of children and adolescents, expansion of the informational universe, among others. The experience and the contributions of the socio-educational actions for the subject's autonomy and strengthening bonds are presented. It is concluded that the socio-educational project contributed to the formation of its participants as autonomous and critical beings, as well as strengthening social ties and bonds.

Referências

Armani, D. (2004). Como elaborar projetos? Guia prático para elaboração e gestão de projetos sociais. Porto Alegre: Tomo Editorial.

Atividades Cras. (s. d.) Atividades e Dinâmicas Organizadas em Percursos para uso dos Serviços do CRAS. Recuperado de: http://atividadescras.blogspot.com/?view=sidebar

Campos, G. W., & Campos, R. T. O. (2006). Co-construção de autonomia: O sujeito em questão. In G. W. Campos, & M. C. De Souza Minayo (Eds.), Tratado de Saúde Coletiva. (pp. 669-688). São Paulo: HUCITEC, Rio de Janeiro: FIOCRUZ.

Carvalho, I. C. M., Müller, L. H., & Stephanou, L. (2003). Guia para elaboração de projetos sociais. 2 ed. São Leopoldo: Sinodal.

Carvalho, M. C. B., & Azevedo, M. J. (2005). Ações socioeducativas no âmbito das políticas públicas. In Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Avaliação: Construindo parâmetros das ações socioeducativas. (pp. 25-33). São Paulo: CENPEC.

Castaman, A. S. (2019). Práticas educativas: Fortalecimento de laços afetivos entre os usuários participantes do Lar da Menina de Getúlio Vargas. Sertão: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Sertão. (Mimeo).

Conselho Nacional de Assistência Social – CNAS (2009). Resolução nº 109, de 11 de novembro de 2009. Aprova a Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. Recuperado de: http://www.mds.gov.br/cnas/ legislacao/resolucoes/arquivos-2009/cnas-2009-109-11-11-2009.pdf/view

Costa, A. C. G. (2006). Por uma política de execução das medidas socioeducativas: Conceitos e Princípios norteadores. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos.

Freire, P. (2002). Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Landim, L. (1998). Ações em sociedade – Militância, caridade, assistência, etc. Rio de Janeiro: NAU – Instituto de estudos da religião (ISER).

Landim, L. (2002). “Experiência militante”: histórias das assim chamadas ONGs. Lusotopie, 1, 215-239. Recuperado de: http://www.lusotopie.sciencespobordeaux.fr/landim.pdf

Lar da Menina. (2019). Ação Social Getuliense Nossa Senhor da Salete – Lar da Menina. Recuperado de: http://lardameninadegetulio.blogspot.com/2011/08/inclusao-digital.html

Portal da Educação. (s. d.) Técnicas de Dinâmicas de Grupo. Disponível em: https://siteantigo.portaleducacao.com.br/ conteudo/artigos/administracao/tecnicas-de-dinamicas-de-grupos/21458 .

Prieto, M. (2007). La dramatización: Una técnica lúdica de aprendizaje. Boletín de ASELE, 36, 11-25.

Sanglard, G. (2003). Filantropia e Assistencialismo no Brasil. História, Ciências, Saúde, 10, 1095-1098.

Sawaia, B. (2009). Psicologia e desigualdade social: Uma reflexão sobre liberdade e transformação social. Revista Psicologia & Sociedade, 21(3), 364- 372.

Secretaria Nacional de Assistência Social-SNAS. (2017). D. Perguntas Frequentes: Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV). Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). Recuperado de: http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/perguntas_e_respostas/ PerguntasFrequentesSCFV_032017.pdf

Silveira, R. V. (2006). Constituição jurídica das ONG’s. Recuperado de: https://www.univates.br/ media/graduacao/direito/CONSTITUICAO_JURIDICA_DAS_ORGANIZACOES.pdf

Stephanou, L., Muller, L. H., & Carvalho, I. C. M. (2003). Guia para elaboração de projetos sociais. Porto Alegre: Fundação Luterana.

Tachizawa, T. (2004). Organizações não governamentais e terceiro setor: Criação de ONGs e estratégias de atuação. 2 ed. São Paulo: Atlas.

Vignoli, J. R. (2006). Vulnerabilidade sociodemográfica: Antigos e novos riscos para a América Latina e o Caribe. In J. M. P. Cunha (Org.), Novas Metrópoles Paulistas: População, vulnerabilidade e segregação. (pp. 95-142). Campinas: UNICAMP.

Publicado
14-05-2020
Como Citar
CASTAMAN, A.; FRANCESCHI MACHADO, A. Um projeto socioeducativo com crianças e jovens do Lar da Menina. Revista Brasileira de Extensão Universitária, v. 11, n. 2, p. 125-134, 14 maio 2020.
Seção
Artigos