Experiências formativas com brincadeiras e interações na educação infantil

  • Alexandre Rodrigo Nishiwaki da Silva Universidade Federal de Alfenas - MG
Palavras-chave: Extensão Universitária, Formação Permanente de Professores/as, Creche, Pré-Escola

Resumo

Este artigo apresenta o Projeto “Organização do Tempo-Espaço na Educação Infantil”, iniciativa desenvolvida a partir da demanda de formação de profissionais da Educação Infantil apresentada pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura de Alfenas, Minas Gerais. Foram realizados encontros nas escolas, nos quais levantamos a forma como as brincadeiras são incorporadas à prática pedagógica em cada contexto, tendo como objetivo construir espaços em que a brincadeira e a interação estivessem na centralidade. O projeto se orienta por relações dialógicas entre a universidade e a comunidade, superando a hegemonia acadêmica e privilegiando a construção coletiva de saberes, ou seja, elaborar com as professoras da rede municipal um aparato teórico e prático sobre a importância da brincadeira e da interação nesta etapa da educação. Buscamos construir conhecimentos ética e cientificamente coerentes por meio da Metodologia Comunicativa Crítica, perspectiva que almeja não apenas explicar as situações sociais, mas edificar sonhos e utopias para transformar a sociedade. O referencial adotado, Aprendizagem Dialógica, em linhas gerais interpreta os problemas educativos e busca transpô-los por meio de práticas solidárias e igualitárias. Assim, este projeto se propõe a discutir as exigências da formação de professores/as para a educação infantil com a contribuição de diferentes perspectivas para, em diálogo com os/as docentes e a comunidade, construir novas propostas pedagógicas. Como resultados, apontamos o envolvimento das escolas nos processos de elaboração de novas práticas, reconfigurando a organização do espaço e do tempo, e centralizando a brincadeira e a interação no processo de ensino e aprendizagem na Educação Infantil.

Palavras-chave: Extensão Universitária; Formação Permanente de Professores/as; Creche; Pré-Escola

Training experiences with play and interactions in childhood education

Abstract: This paper presents the Project “Organization of time-space in Early Childhood Education,” this initiative was developed based on the demand for training of Early Childhood Education professionals presented by the Education and Culture Secretariat of a municipality in the south of Minas Gerais State, Brazil. Meetings were held in schools in which we raised the way in which games are incorporated into pedagogical practice in each context, aiming to build spaces in which play and interaction were central. The project is guided by dialogical relations between the university and the community, overcoming academic hegemony and privileging the collective construction of knowledge, that is, building with the teachers a theoretical and practical apparatus on the importance of play and interaction in education childish. We seek to build ethical and scientifically coherent knowledge through Critical Communicative Methodology, a perspective that aims not only to explain social situations but to build dreams and utopias to transform society. The theory, Dialogical Learning, broadly interprets educational problems and seeks to overcome them through solidary and egalitarian practices. Thus, this project aims to discuss the requirements of teacher training for early childhood education with the contribution of different perspectives to, in dialogue with teachers and the community, develop new pedagogical proposals. As a result, we point out the involvement of schools in the processes of building new practices, reconfiguring the organization of space and time, and centralizing play and interaction in the process of teaching and learning in Early Childhood Education.

Keywords: University Extension; Permanent Teacher Training; Nursery; Pre-School

Referências

Alarcão, I. (2008). Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 6. ed. São Paulo: Cortez.

Aquino, L. M. L. D. (2015). Contribuições da teoria histórico-cultural para uma educação infantil como lugar das crianças e infâncias. Fractal: Revista de Psicologia, 27(1), 39-43.

Aubert, A., Flecha, A., García, C., Flecha, R., & Racionero, S. (2018). Aprendizagem dialógica na Sociedade da Informação. São Carlos: EdUFSCar.

Bondioli, A., Savio, Da. (2013). Participação e qualidade em educação da infância: Percursos de compartilhamento reflexivo em contextos educativos. Curitiba: Editora da UFPR.

Conselho Nacional de Educação. Brasil. (2018). Diretrizes para a Extensão na Educação Superior Brasileira. Câmara de Educação Superior. Brasília: CNE. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=%20download&alias=104251-rces007-18&category_slug=dezembro-2018-pdf&Itemid=30192

Ferreira, M. M. M. (2004). Do “avesso” do brincar ou... as relações entre pares, as rotinas da cultura infantil e a construção da(s) ordem(ens) social(ais) instituintes(s) das crianças no Jardim-de-Infância. In M. Sarmento & A. Ceresara (Orgs.), Crianças e miúdos: Perspectivas sociopedagógicas da infância e educação. (pp. 55-104). Porto: ASA.

Freire, P. (2008). Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 47. Edição.

Gómez, J. (2004). El amor en la sociedad del riesgo. Una tentativa educativa. Barcelona: El Roure.

Gómez, J., Latorre, A., Sánchez, M. & Flecha, R. (2006). Metodología Comunicativa Crítica. Barcelona: El Roure.

Mello, R. R., Braga, F. M. & Gabassa, V. (2012). Comunidades de Aprendizagem: Outra escola é possível. São Carlos: Editora da Universidade Federal de São Carlos.

Ministério da Educação. Brasil. (2010). Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília: MEC, Secretaria de Educação Básica (SEB). Recuperado de: http://ndi.ufsc.br/files/2012/02/Diretrizes-Curriculares-para-a-E-I.pdf

Ministério da Educação. Brasil. (2017). Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, Secretaria de Educação Básica (SEB). Recuperado de: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_ 110518_versaofinal _site .pdf

Queiroz, N. L., Maciel, D. A. & Branco, A. U. (2006). Brincadeira e desenvolvimento infantil: Um olhar sociocultural construtivista. Paidéia, 16(34), 169-179. Recuperado de: https://doi.org/10.1590/S0103-863X2006000200005

Reis, G. & Ostetto, L. (2018). Compartilhar, estudar, ampliar olhares: Narrativas docentes sobre formação continuada. Educação e Pesquisa, 44, e180983.

Rossetti-Ferreira, M. C., Amorim, K. & Oliveira, Z. (2009). Olhando a criança e seus outros: Uma trajetória de pesquisa em educação infantil. Revista de Psicologia USP, 20(3), 437-464.

Spréa, N. E. (2010) A invenção das brincadeiras: Um estudo sobre a produção das culturas infantis nos recreios de escolas em Curitiba (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Brasil. Recuperado de: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/56182/R%20-%20T%20-%20NELIO%20EDUARDO%20SPREA.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Vygotsky, L. (1998). A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.

Publicado
14-05-2020
Como Citar
NISHIWAKI DA SILVA, A. Experiências formativas com brincadeiras e interações na educação infantil. Revista Brasileira de Extensão Universitária, v. 11, n. 2, p. 113-124, 14 maio 2020.
Seção
Artigos