Projeto Primeiros Passos na Ciência: Rompendo barreiras sociais e estreitando laços entre a comunidade acadêmica e o Ensino Médio público

  • Adna Suelen Dorigo Unesp
  • Allison Anjos
  • Ana Claudia Castro Marcato Unesp
  • Dayane Pires
  • Letícia Rocha Gonçalves
  • Luis Adriano Anholeto
  • Luiza Rieder Cholak
  • Manuela Oliveira Ramalho
  • Rafael Splendore Borba
  • Mariana Prudenciatto Ortelani
  • Diogo Cavalcanti Cabral Mello
Palavras-chave: Educação, Extensão, Vivência, Experimento Científico

Resumo

No presente trabalho, visamos ampliar discussões acerca das diferentes faces da interação Universidade-Escola, com base na apresentação de relatos de experiências sobre o Projeto Primeiros Passos na Ciência e em reflexões teóricas sobre o contexto universitário, motivadas pela prática vivenciada. O projeto em questão foi desenvolvido por alunos de pós-graduação em Ciências Biológicas (Biologia Celular e Molecular) da UNESP, Campus de Rio Claro-SP em parceria com a Escola Estadual Prof. Marciano de Toledo Piza, de ensino médio, da cidade de Rio Claro, estado de São Paulo. Este projeto teve o objetivo de introduzir o aluno do Ensino Médio no cotidiano da pesquisa universitária na área de Biologia Celular e Molecular, com a expectativa de promover a aproximação destes alunos com o desenvolvimento do conhecimento científico e o ambiente universitário. Com a realização desse projeto, a Universidade teve a chance de adentrar no contexto dos alunos de Educação Básica, mais especificamente do Ensino Médio público. Esses novos conhecimentos podem criar a possibilidade de um futuro diferente, com mais conhecimentos científicos e instigando a reflexão a partir da rotina da Universidade e seu contexto. A experiência resultou na divulgação científica, no contato do aluno do Ensino Médio com o método científico e toda a técnica e objetividade que dele derivam, ampliando os laços comunidade-universidade.


Palavras-chave: Educação; Extensão; Vivência; Experimento Científico

 


Project First Steps in Science: breaking social barriers and strengthening ties between the academic community and public high schools


Abstract: In the present study, we intend to expand the discussion about different approaches of the University-School interaction, based on the presentation of an account of experiences with the First Steps in Science Project and theoretical reflections on the University context motivated by the lived experience. The project in question was developed by graduate students in Biological Sciences (Cell and Molecular Biology) at UNESP, Rio Claro/SP (Brazil), in partnership with Escola Estadual Prof. Marciano de Toledo Piza a public high school in the city of Rio Claro, State of São Paulo. This project had the objective of introducing high school students to the routine of university research in the area of Cell and Molecular Biology, with the expectation of promoting the approximation of these students with the development of scientific knowledge and the university environment. With the realization of this project, the University had the opportunity to better understand the primary education context of the students, specifically within public high schools. This new knowledge can create the possibility of a different future, with more scientific properties and instigating the reflection from the routine of the University and its context. The experience resulted in scientific dissemination, high school students' contact with the scientific method, and all the technique and objectivity derived from it, expanding community-university ties.


Keywords: Education; Extension; Experience; Scientific Experiment

 

Referências

Azevedo, M. A. R., & Da Cunha, M. I. (2013). Formação para a docência no âmbito da pós-graduação na visão dos seus formadores. Educação Unisinos, 18(1), 97-106.

Bastos, F. (1992). O conceito de célula viva entre os alunos de segundo grau. Em Aberto, 11(55), 63-69.

Bazin, M., Costa, C., Fillipo, D., Kurtenbach, E., Sette-Câmara, M., Parcionik, S., ... & Castro, S. L. D. (1987). Three years of Living Science in Rio de Janeiro: Learning from experience. In: Oxford University. Science literacy papers. (pp. 67-74). Oxford: University of Oxford Department for External Studies Scientific Literacy Group, 1987.

Behrens, M. A. (Org.) Docência universitária na sociedade do conhecimento. Curitiba: Champagnat, 2003.

Bondía, J. L. (2002). Notas sobre experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, 19, 20-28.

Chassot, A. (2003). Alfabetização científica: Uma possibilidade para inclusão social. Revista Brasileira de Educação, 22, 89-100.

Cunha, M. I. (2009). O lugar da formação do professor universitário: O espaço da pós-graduação em educação em questão. Revista Diálogo Educacional, 9(26), 81-90.

De Paula, J. A. (2013). A extensão universitária: História, conceito e propostas. Interfaces-Revista de Extensão da UFMG, 1(1), 5-23.

Delizoicov, D., Slongo, P., Inês, I., & Lorenzetti, L. (2013). Um panorama da pesquisa em educação em ciências desenvolvida no Brasil de 1997 a 2005. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 12(3), 459-480.

Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras (FORPROEX). (2001). Plano Nacional de Extensão Universitária. Ilhéus: Editus.

Freire, A. (1993). Um olhar sobre o ensino da física e da química nos últimos cinquenta anos. Revista de Educação, 3(1), 37-49.

Giordan, A., & Vecchi, G. de (1996). As origens do saber: Das concepções dos aprendentes aos conceitos científicos. Porto Alegre: Artes Médicas.

Jezine, E. (2004). As Práticas curriculares e a extensão universitária. In Anais do Congresso Brasileiro de Extensão Universitária, Belo Horizonte, 2. Belo Horizonte: UFMG.

Krasilchik, M. (2004). Prática de ensino de biologia. São Paulo: EDUSP.

Leite, C., Fernandes, P., & Marques Da Silva, S. O (2013). Lugar da educação para a cidadania no sistema educativo português: perspetivas de docentes de uma escola TEIP. Educação, 36(1), 35-43.

Malafaia, G., & Rodrigues, A. S. L. (2008). Uma reflexão sobre o ensino de ciências no nível fundamental da educação. Ciência & Ensino, 2(2), 1-9.

Mendonça, S. G. L., & Silva, P. S. (2002). Extensão universitária: Uma nova relação com a administração pública. In: Calderón, A. I., & Sampaio, H. Extensão universitária: Ação comunitária em universidades brasileiras. (pp. 29-44). São Paulo: Olho D’água.

Mortimer, E. F. (1996). Construtivismo, mudança conceitual e ensino de Ciências: Para onde vamos? Investigações em Ensino de Ciências, 1(1), 20- 39.

Pedrancini, V. D., Corazza-Nunes, M. J., Galuch, M. T. B., Moreira, A. L. O. R., & Ribeiro, A. C. (2007). Ensino e aprendizagem de Biologia no ensino médio e a apropriação do saber científico e biotecnológico. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 6(2), 299-309.

Schnetzler, R. P. (1998). Contribuições, limitações e perspectivas da investigação no ensino de ciências naturais. Anais do Encontro Nacional de Didática e Pratica de Ensino - ENDIPE, Águas de Lindóia, 9. Águas de Lindóia: [s.n.].

Senabre, M. J. C., & Giménez, I. (1993). Las ideas del alumnado sobre el concepto de célula al finalizar la educación general básica. Enseñanza de las Ciencias: revista de investigación y experiencias didácticas, 11(1), 63-68.

Silva, M. S., & Vasconcelos, S. D. (2006). Extensão universitária e formação profissional: Avaliação da experiência das Ciências Biológicas na Universidade Federal de Pernambuco. Estudos em Avaliação Educacional, 17(33), 119-135.

Sobral, A. D. C. S., & De Siqueira, M. H. Z. R. (2007). Jogos educativos na aprendizagem de Paleontologia do Ensino Fundamental. Anuário do Instituto de Geociências, 30(1), 213-214.

Publicado
13-03-2020
Como Citar
DORIGO, A.; ANJOS, A.; MARCATO, A. C.; PIRES, D.; GONÇALVES, L.; ANHOLETO, L.; CHOLAK, L.; RAMALHO, M.; BORBA, R.; ORTELANI, M.; MELLO, D. Projeto Primeiros Passos na Ciência: Rompendo barreiras sociais e estreitando laços entre a comunidade acadêmica e o Ensino Médio público. Revista Brasileira de Extensão Universitária, v. 11, n. 1, p. 47-59, 13 mar. 2020.
Seção
Artigos