CUIDADORES DOMICILIARES: UMA PREOCUPAÇÃO DA ENFERMAGEM SOBRE O ATO DE CUIDAR DO IDOSO VÍTIMA DE ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO.

  • GLADIS FÁTIMA PEDROSKI UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES - URI ERECHIM

Resumo

Resumo: O Acidente Vascular Encefálico (AVE) está entre as principais causas de morbimortalidade entre idosos, quando não leva à morte, essa enfermidade causa incapacidades funcionais importantes nessa população, gerando uma série de limitações no desempenho de atividades de vida diária, deixando o idoso parcial ou totalmente dependente do cuidado de outra pessoa. Quando hospitalizado o cuidado é de responsabilidade da equipe de enfermagem, porém no retorno para o seu domicílio, as tarefas precisam ser executadas por outras pessoas, sendo necessária a qualificação desses cuidadores domiciliares, visando a melhor qualidade de vida do “ser cuidado”. Dessa forma, objetivou-se reconhecer o papel da equipe de enfermagem frente à capacitação dos cuidadores domiciliares. O estudo retrata uma pesquisa bibliográfica de caráter exploratório-descritivo de abordagem qualitativa. As fontes de buscas foram em bases de dados da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), Scielo, teses, dissertações e manuais relacionados com a temática. Inicialmente, procedeu-se a análise exploratória do material selecionado; seguido de leitura seletiva e criteriosa dos aspectos relacionados ao objetivo. Identificou-se, que o cuidador geralmente é um familiar, sendo leigo, ele necessita de orientações claras e específicas acerca das alterações decorrentes da doença para que dessa forma ele execute ações de cuidado que garantam uma recuperação efetiva do idoso vítima de AVE. As ações educativas devem envolver o cuidador, a família e o paciente de forma integral ainda no contexto hospitalar estendendo-se para o domicílio. Como estratégias e ferramentas, podem ser adotados diferentes recursos e métodos que auxiliem a compreensão e a memorização dos ensinamentos, como folders e check-lists das atividades, guias, manuais, meios eletrônicos e materiais impressos. Todos esses métodos estimulam a autonomia e a independência da família em relação ao cuidado, bem como a autonomia do próprio paciente. Ressalta-se ainda, a importância de ações educativas que promovam além da reabilitação física, o bem estar mental, social e espiritual, possibilitando assim uma melhor recuperação da dignidade e da autoestima do idoso. Conclui-se dessa forma que a educação em saúde, quando promovida por uma equipe multiprofissional, proporciona ao idoso, bem como aos seus familiares e cuidadores compreensões importantes acerca do AVE, suas causas, processo de reabilitação e prevenção de complicações, minimizando dessa forma as internações recorrentes. Salienta-se que a enfermagem precisa, desenvolver habilidades e competências que auxiliem no processo de enfrentando e de adaptação, possibilitando que o paciente supere medos, sequelas, complicações e consequências naturais do AVE. Além disso, o enfermeiro precisa estar constantemente presente, através das visitas domiciliares, com vistas a reconhecer o contexto social em que o idoso está inserido, analisando as necessidades do mesmo, relacionadas ao ambiente físico, garantindo a reabilitação ao seu melhor estado e promovendo uma melhora na qualidade de vida dessa população.   Palavras-chave: Acidente Vascular Cerebral Assistência Domiciliar. Educação em Saúde.

##submission.authorBiography##

GLADIS FÁTIMA PEDROSKI, UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES - URI ERECHIM
1- Acadêmica do 8º semestre do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI-Erechim. Integrante do Grupo de Estudos em Saúde e Enfermagem – GESE, do Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva e Serviços de Saúde e bolsista de Programa Institucional de Iniciação Científica (PIIC). 2- Enfermeiro. Mestre em Envelhecimento Humano pela UPF-RS. Docente do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI Erechim. Integrante do Grupo de Estudos em Saúde e Enfermagem – GESE do Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva e Serviços de Saúde. 3. Acadêmicas do 8º semestre do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI-Erechim

Referências

ANDRADE, L. M. et al. A problemática do cuidador familiar do portador de Acidente Vascular Cerebral. Revista Escolar de Enfermagem da USP, São Paulo, SP, v.43, n.1, p.37-43, março. 2009.
BOCCHI, S. C. M. O papel do enfermeiro como educador junto a cuidadores familiares de pessoas com AVC. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, DF, v.57, n.5, p.569-573, set/out. 2004.
BOCCHI, S. C. M.; ANGELO, M. Interação cuidador familiar – pessoa com AVC: autonomia compartilhada. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, RJ, v.10, n.3, p.729-738, jul/set. 2005.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa. Brasília, 2006.
CHAGAS, N. R; MONTEIRO, A. R. Educação em saúde e família: o cuidado ao paciente vítima de Acidente Vascular Cerebral. Acta Scientiarum. Health Sciences, Maringá, PR, v.26, n.1, p.193-204, jan/jun. 2004.
CONCEIÇÃO, L. F. S. Saúde do idoso: orientações ao cuidador do idoso acamado. Revista Médica de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, v.20, n.1, p.81-91. 2010.
MOREIRA, R. P. et al. Cuidado de cliente com acidente vascular encefálico: associação com diagnósticos de enfermagem. Revista Eletrônica de Enfermagem, v.12, n.3, p.425-430. 2010. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v12/n3/v12n3a02.htm. Acesso em: 16 de julho de 2014.
NEVES, P. P. et al. Profissionais de saúde, que assistem pacientes com Acidente Vascular Cerebral, necessitam de informação especializada. Revista de Neurociências, São Paulo, SP, v.12, n.4, p.173-181, out/dez. 2004.
OLIVEIRA, A. R. S. Competências essenciais de programas de assistência domiciliar para pacientes com acidente vascular cerebral, Revista Eletrônica de Enfermagem, v.15, n.2, p.317-325. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v15i2.18046. Acesso em: 17 de julho de 2013.
PERLINI, N. M. O. G; FARO, A. C. M. Cuidar de pessoa incapacitada por Acidente Vascular Cerebral no domicílio: o fazer do cuidador familiar. Revista Escolar de Enfermagem da USP, São Paulo, SP, v.39, n.2, p.154-163. 2005.
PÜSCHEL, V. A. A.; IDE, C. A. C.; CHAVES, E. C. Modelos clínicos e psicossocial de atenção ao indivíduo e a família na assistência domiciliar – bases conceituais. Revista Escolar de Enfermagem da USP, São Paulo, SP, v.40, n.2, p.261-268, junho. 2006
ROWLAND, L. M. Tratado de neurologia. 10ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.
SOUZA, A. G. et al. Avaliação da qualidade de vida de cuidadores de pacientes com sequelas neurológicas. Conscientiae Saúde, v.7, n.4, p.497-502. 2008.
SOUZA, C. B. O Cuidado Domiciliar de Idosos Acometidos por Acidente Vascular Cerebral: Cuidadores Familiares. Revista Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, RJ, v.17, n.1, p.41-45, jan/mar. 2009.
VERAS, R. Envelhecimento populacional contemporâneo: demandas, desafios e inovações. Revista de Saúde Pública, São Paulo, SP, v.43, n.3, p.548-554, maio/junho. 2009.
Publicado
20-02-2018
Como Citar
PEDROSKI, GLADIS FÁTIMA. CUIDADORES DOMICILIARES: UMA PREOCUPAÇÃO DA ENFERMAGEM SOBRE O ATO DE CUIDAR DO IDOSO VÍTIMA DE ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO.. Congresso Internacional de Políticas Públicas de Saúde, [S.l.], v. 1, n. 1, fev. 2018. Disponível em: <https://periodicos.uffs.edu.br/index.php/CIPPS/article/view/7349>. Acesso em: 20 jan. 2019.
Seção
Educação e Formação em Saúde