EFEITO IN VITRO DO AÇAÍ (EUTERPE OLERACEA) EM CÉLULAS MONONUCLEARES DO SANGUE PERIFÉRICO HUMANO.

  • Helena Fornari Basso UFFS
  • Beatriz da Silva Rosa Bonadiman
  • Greicy Cristine Kosvoski
  • Filomena Marafon
  • Charles Elias Assmann
  • Audrei de Oliveira Alves
  • Ivana Beatrice Mânica da Cruz
  • Margarete Dulce Bagatini

Resumo

Introdução: O açaí (Euterpe oleracea) é um fruto nativo da região amazônica, que tem recebido muita atenção durante os últimos anos devido ao seu poder antioxidante, sendo rico também em vitaminas e antocianinas que possuem um efeito anti-inflamatório, anticarcinogênico, antioxidante, antimicrobiana, previne a oxidação do LDL e algumas doenças. Objetivos: A partir disso o objetivo desta pesquisa é avaliar os efeitos do açaí sobre as células mononucleares do sangue periférico humano. Metodologia: Foram coletados amostra de células mononucleares de sangue humano de indivíduos saudáveis (Comitê de Ética nº 822.782), sendo separada por gradiente de densidade com Ficoll Histopaque. O cultivo das células foi realizado a partir do meio de RPMI com 10% de soro fetal bovino, e 1% de antifúngico e antibiótico. As células foram mantidas em estufa com temperatura e umidade controlada. Após duas horas de adaptação a placa, as células foram tratadas com diferentes concentrações de extrato de açaí (3, 10, 30, 100 e 300 ug/mL) por 24 horas e então realizados testes de viabilidade celular (MTT), testes para detectar a presença de nitrito orgânico (Óxido nítrico) e enzima produzida por mediadores inflamatórios  (mieloperoxidade). Para as análises de MTT, foram adicionadas as células 90µl de PBS e 10µl de MTT, incubou-se por 1 hora a 37ºC, após foi centrifugada a 2000rpm por 10 minutos, retirou-se 70µl do sobrenadante e foi adicionado 70µl de dimetilsulfóxido (DMSO), em seguida foi a leitura através da espectrofotometria com comprimento de onda a 560nm. Já a análise do óxido nítrico foi feita a partir da adição de 100µl do reagente de Griess sobre a placa com 100µl do sobrenadante, após foi incubado por 10 minutos em temperatura ambiente, em seguida foi realizado  a leitura em 540nm. E para as análises de mieloperoxidade (MPO) adicionou-se 148µl de aminoantipirina 25mM mais 170 µl de H2O2 1,7mM em uma placa com 12 µl da amostra, incubou-se por 30 minutos a 37ºC e realizou-se a leitura em 492nm. A análise estatística foi realizada no Software GraphPad Prism, versão 5.0, ANOVA de uma via, os resultados com p ≤ 0,05 foram considerados estatisticamente significantes. Resultados e Discussão: Os resultados desse estudo demostram que todas as concentrações do Açaí, foram capazes de aumentar a viabilidade celular estimulando a proliferação das células (p<0.007). Quando analisado a mieloperoxidase observa-se que na maior concentração ocorreu um aumento dessa enzima produzida por mediadores inflamatórios (p<0.001), sugerindo que nessa concentração ocorre aumento da inflamação. Na avaliação do óxido nítrico todas as concentrações foram capazes de reduzir os danos oxidativos (p<0.001) quando comparado com o controle. Conclusão: A partir desses resultados sugere-se que o açaí possui compostos bioativos que melhoram as condições de viabilidade celular das células, reduzindo as condições de estresse oxidativo. Dessa forma, sugere-se que o extrato de açaí poderia trazer benefícios para a saúde humana, além disso esse estudo pode contribuir para o desenvolvimento de novos alvos terapêuticos eficazes que diminuam ou evitem doenças.
Palavras-chave: Antioxidante; Euterpe oleracea; Viabilidade celular.
Publicado
14-08-2018
Como Citar
FORNARI BASSO, Helena et al. EFEITO IN VITRO DO AÇAÍ (EUTERPE OLERACEA) EM CÉLULAS MONONUCLEARES DO SANGUE PERIFÉRICO HUMANO.. Simpósio em Saúde e Alimentação, [S.l.], v. 1, n. 1, ago. 2018. ISSN 2526-9917. Disponível em: <https://periodicos.uffs.edu.br/index.php/SSA/article/view/8507>. Acesso em: 19 jan. 2019.