REFLETINDO SOBRE IDENTIDADE DE GÊNERO E ORIENTAÇÃO SEXUAL A PARTIR DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DE LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS: CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS DIALÓGICOS À LUZ DE PAULO FREIRE

  • Cláudio Claudino da Silva Filho Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Chapecó
  • Adriana Carolina Bauermann Voluntária do projeto de cultura em questão (Bolsa Cultura Edital Nº 551/GR/UFFS/2017). Farmacêutica (Unochapeco). Mestranda em Ciências da Saúde (Unochapeco), Acadêmica do curso de licenciatura em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Chapecó
  • Lorrayna de Freitas Voluntária do Projeto de Cultura em questão (Bolsa Cultura Edital Nº 551/GR/UFFS/2017). Acadêmica do Curso de licenciatura em Ciências Sociais, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Chapecó.
  • Giovani Francisco Caus Bolsista do projeto de cultura em questão (Bolsa Cultura Edital Nº 551/GR/UFFS/2017). Acadêmico do Curso de Bacharelado em Agronomia, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Chapecó.
  • Graciela Soares Fonseca Coordenadora Adjunta do projeto de cultura em questão (Bolsa Cultura Edital Nº 551/GR/UFFS/2017). Doutora e Mestra em Ciências Odontológicas com área de concentração em Odontologia Social, pela faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (FOUSP), com Estágio de Doutorado Sanduíche na Escola de Enfermagem São João de Deus da Universidade de Évora, Portugal, Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade Estadual de Feira de Santana, na Bahia. Professora Adjunta do curso de graduação em Medicina da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Chapecó.

Resumo

No âmbito da Saúde Coletiva, apesar dos avanços trazidos em 2011 pela Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, evidencia-se que as conquistas continuam modestas frente à pouca qualificação e formação dos profissionais de saúde frente estas temáticas. O objetivo geral desse trabalho é relatar a contribuição e desafios dos espaços dialógicos promovidos por um projeto de cultura para debater questões de gênero voltadas à comunidade LGBTQIA+, com ênfase para a saúde. Trata-se de um relato de experiência acerca do projeto de cultura intitulado: “Refletindo sobre identidade de gênero e orientação sexual a partir da Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais: construção de espaços dialógicos à luz de Paulo Freire” aprovado pelo Edital  interno Bolsa Cultura Nº 551/UFFS/2017. Para debater as questões propostas, optou-se pela lógica dialógica e problematizadora com base nos preceitos de Paulo Freire, mediante encontros com a participação de debatedores(as) convidados(as), além da exibição de audiovisuais, para instigar reflexões e facilitar os debates. As rodas de conversa sobre questões de gênero e saúde são fundamentais debater e visibilizar casos de homofobia, transfobia, lesbofobia e outras vertentes de violência dentro do campusuniversitário. Os debates sobre as necessárias diferenças conceituais entre identidade de gênero e orientação sexual, além da reflexão sobre os limites e possibilidades para o SUS quanto à Política LGBT, possibilitarão uma formação em saúde mais atenta ao respeito de ser quem se quiser, como âncora da humanização do cuidado, integralidade, equidade e justiça social.

Biografia do Autor

Cláudio Claudino da Silva Filho, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Chapecó
Enfermeiro. Doutor em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Especialista em Preceptoria no Sistema Único de Saúde pelo Hospital Sírio Libanês, Bacharel em Enfermagem pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF). Tutor e Coordenador do Grupo Enfermagem no PET Saúde / GraduaSUS 2016-2018. Integrante do Coletivo de Coordenação do VER-SUS Oeste Catarinense. Pesquisador dos Grupos/CNPq: “Grupo de Pesquisa em Educação Popular e Formação em Saúde e Enfermagem (EDUFES)”, "Laboratório de Pesquisa e Tecnologia em Educação em Enfermagem e Saúde" em Florianópolis-SC (EDEN/PEN/UFSC), e "Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva" (NESCO/UNIVASF).  Coordenador Adjunto de Cultura e Professor Adjunto dos cursos de graduação em Enfermagem, Pedagogia e Medicina da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), CampusChapecó-SC. E-mail: claudio.filho@uffs.edu.br  
Adriana Carolina Bauermann, Voluntária do projeto de cultura em questão (Bolsa Cultura Edital Nº 551/GR/UFFS/2017). Farmacêutica (Unochapeco). Mestranda em Ciências da Saúde (Unochapeco), Acadêmica do curso de licenciatura em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Chapecó
Voluntária do projeto de cultura em questão (Bolsa Cultura Edital Nº 551/GR/UFFS/2017).  Farmacêutica (Unochapeco). Mestranda em Ciências da Saúde (Unochapeco), Acadêmica do curso de licenciatura em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Chapecó. E-mail: bauermanna@gmail.com.  
Lorrayna de Freitas, Voluntária do Projeto de Cultura em questão (Bolsa Cultura Edital Nº 551/GR/UFFS/2017). Acadêmica do Curso de licenciatura em Ciências Sociais, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Chapecó.
Voluntária do Projeto de Cultura em questão(Bolsa Cultura Edital Nº 551/GR/UFFS/2017). Acadêmica do Curso de licenciatura em Ciências Sociais, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), CampusChapecó.
Giovani Francisco Caus, Bolsista do projeto de cultura em questão (Bolsa Cultura Edital Nº 551/GR/UFFS/2017). Acadêmico do Curso de Bacharelado em Agronomia, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Chapecó.
Bolsista do projeto de cultura em questão (Bolsa Cultura Edital Nº 551/GR/UFFS/2017). Acadêmico do Curso de Bacharelado em Agronomia, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), CampusChapecó.
Graciela Soares Fonseca, Coordenadora Adjunta do projeto de cultura em questão (Bolsa Cultura Edital Nº 551/GR/UFFS/2017). Doutora e Mestra em Ciências Odontológicas com área de concentração em Odontologia Social, pela faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (FOUSP), com Estágio de Doutorado Sanduíche na Escola de Enfermagem São João de Deus da Universidade de Évora, Portugal, Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade Estadual de Feira de Santana, na Bahia. Professora Adjunta do curso de graduação em Medicina da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Chapecó.
Coordenadora Adjunta do projeto de cultura em questão (Bolsa Cultura Edital Nº 551/GR/UFFS/2017). Doutora e Mestra em Ciências Odontológicas com área de concentração em Odontologia Social, pela faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo (FOUSP), com Estágio de Doutorado Sanduíche na Escola de Enfermagem São João de Deus da Universidade de Évora, Portugal, Cirurgiã-dentista graduada pela Universidade Estadual de Feira de Santana, na Bahia. Professora Adjunta do curso de graduação em Medicina da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), CampusChapecó.
Publicado
02-10-2018
Como Citar
SILVA FILHO, Cláudio Claudino da et al. REFLETINDO SOBRE IDENTIDADE DE GÊNERO E ORIENTAÇÃO SEXUAL A PARTIR DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DE LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS: CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS DIALÓGICOS À LUZ DE PAULO FREIRE. SEMINÁRIO INTEGRADOR DE EXTENSÃO, [S.l.], v. 1, n. 1, out. 2018. Disponível em: <https://periodicos.uffs.edu.br/index.php/SIE/article/view/10535>. Acesso em: 20 jan. 2019.