Mortalidade de plantas de pitangueira em função da idade ao plantio

  • Cláudia Simone Madruga Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Laranjeiras do Sul.
  • Cláudia Roberta Nenning Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Laranjeiras do Sul.
  • Felipe Silva Campos Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Laranjeiras do Sul.
  • Jesuele dos Santos Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Laranjeiras do Sul.

Resumo

Mortalidade de plantas de pitangueira em função da idade ao plantio Felipe S. Campos 1, Cláudia Roberta Nenning1, Jesuele Santos 1, Cláudia Simone M. Lima 2 1Acadêmico do curso de Agronomia- Universidade Federal da Fronteira Sul, Laranjeiras do Sul,PR, CEP 85301-970; 2 Professora adjunta do curso de Agronomia, Universidade Federal da Fronteira Sul, Laranjeiras do Sul,PR, CEP 8530- 970; A pintangueira (Eugenia uniflora L.) é uma dicotiledonia da família das Myrtaceas, é uma árvore nativa da mata atlântica e possui de pequeno a médio porte com aproximadamente 4m de altura. O objetivo neste trabalho foi verificar o índice de mortalidade de plantas de pitangueira em função da idade ao plantio. O experimento foi conduzido no pomar orgânico didático experimental pertencente à Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Laranjeiras do Sul/PR. Como material vegetal foram utilizadas mudas pitangueiras de diferentes idades, com 01 e 02 anos. As mudas foram plantas em espaçamento 5,00x4,00m, sendo que para todas havia mesma adubação e preparo de solo. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, com 10 mudas para cada idade, totalizando 20 mudas. A avaliação foi realizada 30 dias após o transplante das mudas (06/11/2016). Verificou-se que para as mudas mais novas, com 01 ano de idade, o índice de mortalidade foi 30%, e 10% mortalidade para as mudas desenvolvidas de dois anos. Considerando os indicies de mortalidade, conclui-se que mudas com maior tempo em viveiro apresentam melhor performece a campo após o transplantio. Palavras-chave: Eugenia uniflora L., mudas, índice. Mortalidade de plantas de pitangueira em função da idade ao plantio Felipe S. Campos 1, Cláudia Roberta Nenning1, Jesuele Santos 1, Cláudia Simone M. Lima 2 1Acadêmico do curso de Agronomia- Universidade Federal da Fronteira Sul, Laranjeiras do Sul,PR, CEP 85301-970; 2 Professora adjunta do curso de Agronomia, Universidade Federal da Fronteira Sul, Laranjeiras do Sul,PR, CEP 8530- 970; A pintangueira (Eugenia uniflora L.) é uma dicotiledonia da família das Myrtaceas, é uma árvore nativa da mata atlântica e possui de pequeno a médio porte com aproximadamente 4m de altura. O objetivo neste trabalho foi verificar o índice de mortalidade de plantas de pitangueira em função da idade ao plantio. O experimento foi conduzido no pomar orgânico didático experimental pertencente à Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Laranjeiras do Sul/PR. Como material vegetal foram utilizadas mudas pitangueiras de diferentes idades, com 01 e 02 anos. As mudas foram plantas em espaçamento 5,00x4,00m, sendo que para todas havia mesma adubação e preparo de solo. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, com 10 mudas para cada idade, totalizando 20 mudas. A avaliação foi realizada 30 dias após o transplante das mudas (06/11/2016). Verificou-se que para as mudas mais novas, com 01 ano de idade, o índice de mortalidade foi 30%, e 10% mortalidade para as mudas desenvolvidas de dois anos. Considerando os indicies de mortalidade, conclui-se que mudas com maior tempo em viveiro apresentam melhor performece a campo após o transplantio. Palavras-chave: Eugenia uniflora L., mudas, índice.

##submission.authorBiography##

Felipe Silva Campos, Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Laranjeiras do Sul.
Estudante de agronomia
Publicado
12-06-2017
Como Citar
MADRUGA, Cláudia Simone et al. Mortalidade de plantas de pitangueira em função da idade ao plantio. FRUSUL - Simpósio de Fruticultura da Região Sul, [S.l.], v. 1, n. 1, jun. 2017. ISSN 2526-9909. Disponível em: <https://periodicos.uffs.edu.br/index.php/FRUSUL/article/view/5168>. Acesso em: 16 jan. 2019.