A MARGEM PERMISSIVA DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER OCULTADA NOS SÍMBOLOS CULTURAIS, LINGUISTICOS E RELIGIOSOS

  • Serli Ferreira de Andrade Universidade Federal da Fronteira Sul- Campus Laranjeiras do Sul
  • Liria Ângela Andrioli Universidade Federal da Fronteira Sul- Campus Laranjeiras do Sul

Resumo

O presente texto baseia-se principalmente em Pierre Bourdieu, em sua obra "O Poder Simbólico", para despertar o interesse para as diversas formas de violências simbólicas que dão margem à violência contra a mulher, camuflando-se e preservados por gerações, por meio da cultura, da linguagem e da religião, mantendo a mulher numa condição oprimida e servil, mas sem que se identifique como tal, de maneira que podem se contrapor a qualquer ruptura desses hábitos, enquanto inconscientemente reproduzem tal ordem sistêmica, conforme resume o autor sobre a perpetuação do poder simbólico exercido. Como quebra de paradigma, é possível extrair de Norberto Bobbio, em "A Era dos Direitos", que o ser humano deve ter sempre a preocupação de manter a distinção entre a teoria e a prática, tendo em mente que ambas percorrem duas estradas diversas em velocidades muito desiguais. No caso da sobreposição de gênero, tendo a violência simbólica como instrumento, conforme Bourdieu, a teoria é desconhecida da camada oprimida, uma vez que o poder simbólico é imperceptível possibilitando, assim, que o combate a essa violência e a sua prática, sejam de fato díspares.

Biografia do Autor

Serli Ferreira de Andrade, Universidade Federal da Fronteira Sul- Campus Laranjeiras do Sul
Mestranda em Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável
Liria Ângela Andrioli, Universidade Federal da Fronteira Sul- Campus Laranjeiras do Sul
Professora da Uffs Campus Laranjeiras do Sul
Publicado
14-12-2017
Como Citar
ANDRADE, Serli Ferreira de; ANDRIOLI, Liria Ângela. A MARGEM PERMISSIVA DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER OCULTADA NOS SÍMBOLOS CULTURAIS, LINGUISTICOS E RELIGIOSOS. Congresso Internacional de Educação da UFFS LS - Território Cantuquiriguaçu, [S.l.], dez. 2017. ISSN 2595-1122. Disponível em: <https://periodicos.uffs.edu.br/index.php/CANTU/article/view/6867>. Acesso em: 17 jan. 2019.