HUMANISMO, CIÊNCIA E EDUCAÇÃO: O FRACASSO DAS FORMAS DE DOMESTICAÇÃO CLÁSSICAS

  • Evandro Bilibio UFFS - LS - PR

Resumo

O pano de fundo deste artigo é a ideia de que uma (re) apropriação do humano e a consequente superação do humanismo clássico encontra-se na ciência/técnica, na medida em que possibilita ao ser humano lançar (um novo) olhar sobre si mesmo e no mundo como nunca antes foi possível. Para tanto, o humano precisa ser (re) pensado à luz da técnica. Sloterdijk percebe a urgência dessa necessidade e o que faltou no pensar heideggeriano, ou seja, é a partir de Sloterdijk que se procura colocar sobre novas bases a ideia de técnica em Heidegger. Contudo, antes disso, serão apresentadas algumas considerações a respeito da técnica/tecnologia e posições de autores com respeito ao problema da técnica com o intuito de que esse procedimento ajude a demarcar e compreender-se melhor a discussão e o problema que está sendo proposto. Essa demarcação implica, necessariamente, o reconhecimento de que proposta humanista somente pode ser pensada como sendo, em si mesma, uma forma de domesticação; da qual deriva, pura e simplesmente, todas as formas de educação. Por outro lado, a aceitação dessas hipóteses deve implicar, necessariamente, na ideia de que a superação do humanismo clássico somente será implementável/possível na medida em que a ideia de educação dos animais não humanos seja, necessariamente, pensada a luz das novas técnicas/ciências disponíveis. Em outras palavras, aquelas de Sloterdjik, antropologia pensada a luz da ciência/técnica, i.e., como antropotécnica. Assim, também, ao serem usados os adjetivos crise e fracasso, bem como o substantivo domesticação para referir-se ao humanismo clássico, entende-se que tais adjetivos aplicam-se integralmente à educação.

Referências

ARENDT, H. 1997. A Condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária.
CHANGEUX, JP. 1993. Fundamentos naturais da ética. Lisboa: Instituto Piaget.
FREUD, S. 1997. O mal-estar na cultura. Porto Alegre: L&PM Pocket.
HABERMAS, J. 1997. A técnica e Ciência como ‘Ideologia’. Lisboa: Edições 70.
HEIDEGGER, M. 1987. Carta sobre o Humanismo. Lisboa: Guimaraes Editores.
_______. 1997. A Questão da Técnica. In Cadernos de Tradução. São Paulo: Edusp.
_______. 2007. A questão da técnica. In scientiæ studia, São Paulo, v. 5, n. 3, 375-98,
NIETZSCHE, F. 1996. A Gaia Ciência. Coleção os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural.
SAFRANSKI, R.. 2000. Heidegger: Um mestre da Alemanha entre o bem e o mal. São Paulo: Geração Editorial.
SARTRE, JP. 1997. O ser e o Nada. Rio de Janeiro.
SINGER, P. 2002. Ética Prática. São Paulo: Martins Fontes.
SCHNÄDELBACH, H. 1981. Filosofía en Alemania, 1831-1933. Madrid: Catedrad.
SLOTERDIJK, P. 2000. Regras para Gerir o Parque Humano: Uma resposta à carta de Heidegger sobre o Humanismo. São Paulo: Estação Liberdade.
STEIN, E. 2000. Diferença e Metafísica: Ensaios sobre a desconstrução. Porto Alegre: Edipuc.
VATTIMO, G. 2007. O Fim da Modernidade: Niilismo e hermenêutica na cultura pós-moderna. São Paulo: Martins Fontes.
WEISMAN, A. 2007. O mundo sem nós. São Paulo: Editora Planeta do Brasil.
ZIZEK, S. 2011. Em defesa das causas perdidas. São Paulo: Boitempo
Publicado
15-12-2017
Como Citar
BILIBIO, Evandro. HUMANISMO, CIÊNCIA E EDUCAÇÃO: O FRACASSO DAS FORMAS DE DOMESTICAÇÃO CLÁSSICAS. Congresso Internacional de Educação da UFFS LS - Território Cantuquiriguaçu, [S.l.], dez. 2017. ISSN 2595-1122. Disponível em: <https://periodicos.uffs.edu.br/index.php/CANTU/article/view/6844>. Acesso em: 17 jan. 2019.